Pesquisa da UENP vira referência internacional com estudo sobre diagnóstico de mastite bovina

Pesquisa apontou que mais de 40% das mastites não precisam de tratamento - Crédito: UENP/Divulgação

A Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) desenvolveu uma pesquisa relacionada ao diagnóstico precoce da mastite bovina, uma inflamação das glândulas mamárias das vacas, que causa prejuízos econômicos na produção de leite. O diagnóstico antecipado contribui para a redução de antibióticos aplicados nos rebanhos e impactos ambientais gerados pelo descarte de leite com resíduos de medicamentos.

O estudo é resultado da dissertação da médica veterinária Jéssica Quirino da Silva, no âmbito do Programa de Mestrado em Agronomia da UENP, na linha de pesquisa Produção Agropecuária Sustentável. Ela avaliou a produção leiteira em vacas da raça Jersey, manejadas em Compost Barn (tipo de alojamento mais confortável para o gado leiteiro) em um sistema de ordenha robotizada, também conhecido como sistema voluntário de ordenha ou VMS, sigla em inglês para voluntary milking system.

Nesse sistema, um computador controla as ordenhadeiras (equipamento mecânico que automatiza a ordenha), de modo que as vacas escolhem o momento para serem ordenhadas, sem a interferência humana. Como a tecnologia ainda é muito recente no Brasil, o projeto monitorou os principais agentes biológicos causadores de mastite bovina, para auxiliar no controle zootécnico dos rebanhos.

Pesquisa

Jéssica associa os resultados da pesquisa à eficiência do sistema de produção das propriedades. “Com base na avaliação da condutibilidade elétrica, da contagem de células somáticas e da cultura microbiológica, os dados mostraram que mais de 40% das mastites não precisam de tratamento. Esses resultados repercutiram entre os produtores rurais, considerando a implementação de rotinas e manejos para o monitoramento de procedimentos nas fazendas leiteiras”, afirma a pesquisadora.

Em relação à saúde da glândula mamária das vacas leiteiras, o diagnóstico antecipado da mastite permite receitar medicamentos de forma assertiva, conforme o quadro clínico de cada vaca. Às vezes, é possível substituir antibióticos por outros tratamentos, assegurando o bem-estar do rebanho, sem prejudicar o sistema imunológico dos animais.

O orientador do projeto, professor Marcelo Alves da Silva, do Centro de Ciências Agrárias da UENP, confirma que a pesquisa pode impactar no manejo de rebanhos nesse tipo de propriedade. “A ideia é que os resultados sejam utilizados na definição de diretrizes e parâmetros para práticas de manejo em propriedades com sistemas de ordenha robotizada, contribuindo para evitar a queda na produção de leite”, afirma.

A mastite é uma das doenças mais onerosas na bovinocultura de leite, com impactos negativos para produtores, indústria de laticínios e consumidores. No Brasil, estimativas do setor rural apontam que a perda anual causada pela mastite subclínica, caracterizada pela ausência de alterações visíveis no leite e nas vacas, seja de até 1,75 bilhão de litros, o que representa aproximadamente 5% da produção total de leite do País.

Laboratório

Como laboratório, a pesquisadora utilizou a Fazenda Lagoa Dourada, propriedade rural com 200 hectares, localizada no município de Arapoti, na região dos Campos Gerais, que conta com mais de 350 vacas Jersey. O estudo avaliou um total de 725 amostras entre 2019 e 2020, durante a secagem das vacas leiteiras, período que compreende o intervalo de tempo entre as ordenhas.

O leite da vaca Jersey é considerado um dos melhores do mundo. Comparado a outras raças, tem 20% a mais de proteína, 15% a mais de cálcio e de 15 a 20% a mais de sólidos (menos água). Em média, a espécie produz entre 18 e 20 litros de leite diariamente. O período produtivo pode ultrapassar 20 anos, mas apesar de ser resistente a fatores ambientais a raça está suscetível ao estresse térmico em condições tropicais, principalmente nos meses mais quentes e úmidos.

A qualidade do leite pode ser medida por parâmetros físicos, químicos e microbiológicos. Os teores de proteína, gordura, lactose, sais minerais e vitaminas determinam as características do produto, influenciados por fatores como raça, espécie, idade e estágio de lactação; assim como aspectos ambientais de temperatura e umidade e as condições nutricionais, fisiológicas e patológicas dos animais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.