Almanaque+

Land Rover Defender se moderniza

O novo Land Rover Defender, enfim, está entre nós. A quinta geração do SUV, que recebeu a mais radical atualização de sua rica história, foi revelado em 2019 no Salão de Frankfurt (Alemanha) e estreou na Europa no início deste ano. Agora, desembarca no Brasil e está sendo oferecido em um lote inicial com 150 unidades, apenas na carroceria longa, a 110, em três versões. A mais barata, S, custa R$ 400.750, a intermediária SE sai por R$ 426.750 e a HSE, de topo, a R$ 461 150. A produção está sendo feita na Eslováquia, de onde sai também o Discovery.

O motor é o mesmo para todas. Batizado de P300, trata-se de um 2 0 de quatro cilindros, com turbo, movido a gasolina, que faz parte da linha Ingenium, gera 300 cv de potência a 5.500 rpm e 40,8 mkgf de torque a partir das 1.500 rpm. Por ora, não há versão a diesel. A tração, obviamente, é integral permanente, e o câmbio automático de oito marchas é da ZF.

Além de fazer bonito na terra, o novo Defender promete agradar no asfalto. De acordo com a fabricante, o SUV acelera de 0 a 100 km/h em 8,1 segundos e pode chegar a 191 km/h.

Apesar do aspecto moderno, o novo Defender preservou nas linhas da carroceria traços do modelo original. São 5 metros de comprimento (contando com o estepe fixado na tampa traseira), 1,97 m de altura e 2 m de largura, com os espelhos recolhidos. Para garantir boa autonomia, o tanque tem capacidade para 90 litros de gasolina. O porta-malas pode acomodar 231 litros (com sete lugares) e até 916 l (cinco lugares).

Na nova geração, o Defender traz itens inéditos à linha, reconhecida pela rusticidade. É o caso, por exemplo, da suspensão a ar, disponível em algumas versões. Batizado de Adaptive Dynamics, o sistema é capaz de monitorar os movimentos do carro e reagir automaticamente às variações do piso e da dirigibilidade. Graças ao novo dispositivo, a altura da carroceria pode variar em até 14,5 cm.

Diferentemente da simplicidade que sempre marcou o Defender, o novo modelo é repleto de itens de luxo. Nas versões mais caras há bancos revestidos de couro e com regulagem elétrica, tela de 12,3 polegadas, sensores de obstáculos, câmeras 360°, controle de velocidade adaptativo, monitor de risco de colisão traseira, etc.

Há ainda “capô transparente”. O dispositivo, lançado no Evoque, utiliza câmeras para captar imagens da parte inferior dianteira (área encoberta pelo capô) e as projeta na tela central. Com isso o motorista pode ver os obstáculos que estão à frente e entre os pneus.

O novo Defender traz também monitor de fadiga e de tráfego traseiro. Entre os opcionais há terceira fila de bancos e ar-condicionado de zona tripla (que alcança a parte traseira do SUV), por R$ 14.300. Também é possível escolher entre quatro pacotes de acessórios estéticos para o carro (Urban, Explorer, Adventure e Country).

Além de a nova geração do Defender oferecer bastante conforto, a marca garante que a habitual aptidão ao uso em qualquer tipo de terreno foi mantida. A altura livre do solo, por exemplo, é de 29,1 cm e os ângulos de entrada (38°) e saída (40°) são muito bons.

A capacidade de travessia de trechos alagados é de 90 cm. O sistema Terrain Response II permite preparar o SUV para enfrentar diversos tipos de piso, como areia, lama, pedras, etc. O dispositivo pode ser configurado pelo motorista ou permanecer no modo automático. Nesse caso o ajuste é feito de acordo com as condições do piso, de forma totalmente automática.

Como o modelo anterior, o novo tem carroceria feita de alumínio. Mas, diferentemente do Defender antigo, o da nova geração utiliza estrutura monobloco, e não carroceria montada sobre chassi. A Land Rover garante que essa plataforma, batizada de D7x, é a mais resistente produzida pela marca. De acordo com informações da fabricante, o novo Defender tem estrutura “dez vezes” mais rígida que a do SUV anterior.

A Land Rover já produziu o Defender em regime de CKD (com peças importadas) em São Bernardo do Campo, na região do ABC paulista. A montagem era feita na antiga fábrica da Karmann-Ghia, às margens da Via Anchieta, e durou de 1998 a 2005.

ROBUSTEZ

O último Defender da quarta geração saiu da linha de montagem da fábrica de Solihull, na Inglaterra, em 29 de janeiro de 2016. Concebido para uso severo no fora de estrada, o Land Rover foi lançado em 1948 e recebeu o nome de Defender apenas em 1990. Antes disso, o modelo era identificado pelas modificações recebidas ao longo dos anos (Series I, II e III). O novo nome foi adotado para evitar confusão com o Discovery, que acabara de ser lançado. O SUV passou a ser identificado de Defender 90 ou 110, por exemplo, em referência à distância entre os eixos, em polegadas (2,29 metros e 2,79 m, respectivamente). O modelo se manteve fiel às origens, mesmo que isso significasse algum nível de desconforto. Nesse aspecto, o novo Defender rompe a tradição.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima