Almanaque+

KPMG: tecnologia da informação ajuda petrolíferas do mundo a enfrentar crise

******* ATENÇÃO ************ ATENÇÃO ************* ATENÇÃO *****
ATENÇÃO, SENHORES EDITORES: MATÉRIA COM EMBARGO. PUBLICAÇÃO LIBERADA A PARTIR DE DOMINGO, DIA 04 DE ABRIL DE 2021.
***************************************************************

Investimentos em computação em nuvem, em privacidade e segurança de dados e no desenvolvimento, gerenciamento e operações em tecnologia estão dominando a indústria de petróleo e gás natural, atualmente. A conclusão é da pesquisa “CIO Survey 2020”, elaborada por KPMG e Harvey Nash a partir das respostas de mais de 4,2 mil diretores de tecnologia de empresas, de 83 países.

A pesquisa aponta ainda melhorias na eficiência operacional, com a análise de dados e capacitação da força de trabalho e traz um recorte das principais questões apontadas pelos executivos que atuam na área de petróleo e gás, considerando os cenários da pandemia da covid-19.
“A pandemia alterou a demanda de petróleo e gás no mundo e fez com que muitas empresas do setor reduzissem investimentos e produção e fechassem as portas. A pesquisa apontou que, do ponto de vista tecnológico, o foco deverá ser voltado para permitir ganhos de eficiência e redução de custos com o uso de dados integrados para fornecer previsões mais precisas, ciclos de decisão mais curtos que impulsionem a lucratividade e reduzam o desperdício”, afirma o sócio-diretor da área de Energia e Recursos Naturais da KPMG, Eduardo Pozzi.
Segundo o estudo, o modelo tradicional de oferta e demanda da indústria de petróleo e gás está agora em um ponto de inflexão, ajudando a unir o negócio e a tecnologia de informação para gerar mais valor, melhorar a eficiência operacional e minimizar o tempo de inatividade dos ativos
Com relação às expectativas de mudança no modelo de entrega, o aumento da automação das operações – incluindo perfuração, cadeia de suprimentos e monitoramento de caldeiras – foi apontado como prioridade para o setor de petróleo (80%) em comparação com as outras indústrias (71%). Já no que diz respeito ao incremento de serviços gerenciados e à terceirização centralizada, os percentuais do setor de petróleo e gás são inferiores às médias globais nessas áreas.
Quando questionados se a performance organizacional foi melhor ou significantemente melhor do que a dos competidores, os líderes digitais apresentaram uma vantagem significativa sobre os pares, muito acima do desempenho em eficiência operacional, tempo de mercado e experiência do cliente, de acordo com a KPMG.

Para cima