Passeios perto de São Paulo para um bate-volta

Álcool em gel na bolsa, máscaras para trocar ao longo do dia, tudo pronto para pegar a estrada. Pensando em quem busca passeios perto de São Paulo, separamos destinos a até 150 quilômetros da capital. São ideias para diversos perfis e caem bem para um bate-volta.
Importante: as atrações vêm mudando o funcionamento com frequência, para se adequar ao Plano SP. Outro lembrete: durante a semana, tudo fica mais vazio. Se você tiver disponibilidade e o lugar estiver aberto, considere ir em dias alternativos. Por último: saiba que várias atrações exigem reserva e verifique a previsão do tempo para aproveitar o passeio.
Tour por fazenda de café em Campinas
O café mudou a face econômica de São Paulo, expandiu a malha ferroviária para o interior e impulsionou a transformação da provinciana capital em metrópole. Parte dessa história escrita entre os séculos 18 e 19 pode ser conhecida nos três roteiros da Fazenda Tozan, com três horas cada. Os grupos têm de 10 a 20 pessoas por saída. O passeio pelo cafezal em Campinas inclui informações sobre plantio, colheita e beneficiamento. O roteiro passa ainda pela sede da propriedade e pela antiga senzala, além do mirante de onde se tem vista privilegiada de toda a plantação. Há três opções de roteiros.
O cultural é indicado aos amantes de café por conter explicações mais detalhadas. O piquenique com café é uma experiência que inclui mini tour com degustação, feita antes da caminhada – outra opção é o café da tarde na fazenda com pôr do sol visto do mirante com vista para a plantação. Cada família recebe sua cesta para se sentar sob árvores, no gramado ou em mesinhas. A lojinha vende o café produzido na fazenda, em grãos e moído, além de acessórios como cafeteiras e canecas.
Fazenda Tozan. Rodovia Adhemar Pereira de Barros, km 121,5, Campinas, (19) 3257-2269. Sáb., dom. e feriados: piquenique no café da manhã, 10h; pôr do sol, 16h; cultural, sob consulta. Piquenique e pôr do sol, R$ 99,50 (de 5 a 10 anos, R$ 69); cultural, R$ 98 (de 5 a 10 anos, R$ 49). Atende em outros dias com agendamento prévio.
Socorro, radicalmente natural. E cervejeira
As volumosas corredeiras do Rio do Peixe são perfeitas para as práticas de rafting e de canoagem em Socorro, referência em ecoturismo em São Paulo. A cidade do Circuito das Águas tem também trilhas que levam a cachoeiras, arvorismo e tirolesa de até 1 km de extensão. O Hotel Fazenda Campo dos Sonhos oferece todo o cardápio de atividades, de radicais a contemplativas, como passeios de cavalo e charrete. Tem até uma pitoresca voltinha de trator.
Mas nem só de aventura vive o destino. Cervejeiros podem curtir uma visita guiada à fábrica da artesanal Quinta do Malte. Com cerca de 45 minutos de duração, o tour é guiada por sommelier e tem de ser agendado no mínimo meia hora antes do início. Os participantes (até 20 por grupo) recebem um kit com bolachas de chope e dois copos de acrílico para usar na degustação da bebida retirada diretamente de tanque de maturação. História da cerveja, processo de produção e curiosidades fazem parte do passeio.
Quinta do Malte. Rodovia Capitão Bardoino, 4.320, (11) 98186-9191. Sáb., 11h, 14h e 16h; dom., 11h e 14h. Hotel Fazenda Campo dos Sonhos: Estrada dos Sonhos, km 6, (19) 3895-3161. Diariamente, 8h/17h. R$ 16 (criança de 5 a 12 anos, R$ 8; até 4 anos, R$ 2). Atividades: cavalo, charrete ou trator, a partir de R$ 15; arvorismo com tirolesa, desde R$ 60.
São Roque: colheita e bike com vinho
Herança das imigrações portuguesa e italiana, os vinhedos são responsáveis por fazer de São Roque a capital do vinho do Estado de São Paulo. Abertas ao público, as vinícolas promovem visitas à produção e sessões de degustação. O passeio pode ser combinado com um almoço na região. Distante apenas 60 quilômetros da capital, o município tem seu Roteiro do Vinho, formado por vinícolas, restaurantes, pousadas, fazendinha, pesqueiro e lojas de produtos típicos como alcachofras e biscoitos.
A Vinícola Góes organiza tour com degustação pelos vinhedos de cerca de uma hora de duração. Na Wine and Bike, saída de bicicleta, é preciso reservar e levar o próprio veículo com capacete. Com 11 quilômetros de pedal, o passeio dura três horas e inclui um lanche.
Inspirada nos vinhedos da Ilha da Madeira, a Quinta do Olivardo serve pratos portugueses, principalmente preparados com bacalhau. Pedalinho e área de lazer para a criançada são outros atrativos da propriedade, que no próximo sábado (11h) tem o evento chamado de Vinho dos Mortos, quando são desenterradas garrafas de vinho (exige reserva; garrafas custam desde R$ 66).
O complexo Vila Don Patto planeja piquenique em parreiral para fevereiro (ainda com data a ser definida). Reúne playground, empório e área com guarda-chuvas coloridos suspensos, além de restaurantes. Como o nome pode fazer supor, o Restaurante Português aposta nas receitas à base do ingrediente símbolo da culinária lusitana, enquanto o La Pasta dedica seu menu a massas, carnes e risotos.
Vinícola Góes. Estrada do Vinho, km 9, 4711-3500. Diariamente, 9h/18h. Tour: fim de semana, horário sob consulta; R$ 65. Passeio de bicicleta: dom. até 21/2, horário sob consulta; R$ 50. Quinta do Olivardo. Estrada do Vinho, km 4, 4711-1100. 2ª a dom., 9h30/17h30. Vila Don Patto. Estrada do Vinho, km 2,5, 4711-3001. 2ª a 6ª, 9h/17h30; sáb., dom. e feriados, 8h/18h; restaurante português: 6ª e sáb., até as 20h.
Para voar balão em Boituva
É preciso madrugar para curtir uma das principais atrações de Boituva: o voo de balão. As saídas costumam ocorrer antes do nascer do sol, então programe-se para percorrer sem pressa os 120 quilômetros que separam a cidade da capital paulista. A Céu Azul Balonismo e a Escola Brasileira de Balonismo realizam voos com duração de até uma hora. Os passeios incluem lanche simples antes do voo, traslado até o local da decolagem e, após o pouso, brinde com espumante e café da manhã completo. Com o aumento de casos de covid-19, a empresa planeja voltar a usar cortinas de plástico para separar os grupos dentro do cesto do balão.
Céu Azul Balonismo. Ponto de encontro no Centro Nacional de Paraquedismo: Rodovia Castelo Branco, km 116, (19) 99679-7877. Sáb., dom. e feriados, R$ 379,80 por pessoa. Escola Brasileira de Balonismo. Estrada Maria Genaro Vitiello, 1.830, (11) 95432-8854. Sáb., dom. e feriados, R$ 395 por pessoa.
História com Rei Pelé, em Santos
No passado, o café produzido nas fazendas do interior paulista descia a Serra do Mar nos vagões de trem com destino ao porto de Santos, a 80 quilômetros da capital. A prosperidade econômica trazida pelos grãos se materializou nos estilos neoclássico e barroco do prédio da Bolsa do Café, inaugurado em 1922. Hoje, o edifício abriga o Museu do Café, que reconta essa história em exposições temporárias e de longa duração, com o auxílio de objetos e material multimídia. No térreo, a Cafeteria do Museu serve blends, bebidas à base de grãos premiados ou sazonais, além de drinks gelados.
O Museu do Café é um dos 40 pontos históricos e culturais percorridos pelos bondes turísticos da cidade. Eles circulam por locais como o Conjunto do Carmo, o Palácio José Bonifácio e o Museu Pelé, de onde partem a cada hora cheia. Instalada em um casarão do Valongo, a instituição de 4.134 m² conta a trajetória de Edison Arantes do Nascimento, em cerca de 2.500 peças expostas.
Museu do Café. Rua XV de Novembro, 95, (13) 3213-1750. 4ª/dom, 11h/17h. R$ 10 (sáb., grátis). Museu Pelé. Largo Marquês de Monte Alegre, 1. 5ª a dom., 11h/16h. R$ 10 (dom., R$ 5). Bonde: 5ª./dom, 12h/16h (última saída); R$ 7.
Em Vinhedo, diversão com montanha-russa
Cinco regiões temáticas compõem os 760 mil metros quadrados do Hopi Hari, em Vinhedo, em torno de 80 quilômetros de São Paulo. São aproximadamente 20 pontos de alimentação e 40 atrações. A família toda se diverte na Giranda Mundi, roda-gigante com vista para o parque inteiro. Maior montanha russa de madeira da América Latina, Montezum é a escolha para quem busca adrenalina. Diferentes manifestações culturais do carnaval brasileiro animam as áreas do Hopi Hari de amanhã até 7/3, em quatro sessões com bonecos de Olinda e boi-bumbá, previstas a cada hora cheia a partir das 15h30.
Hopi Hari. Rodovia dos Bandeirantes, km 72, 4210-4000. 5ª a dom. e feriados, 11h/19h. R$ 119,90; tem preços promocionais: atualmente, desde R$ 59,90 (5ª).
Reserva de Mata Atlântica em Mogi
Se a intenção for se refugiar por algumas horas em meio à Mata Atlântica, o Parque das Neblinas é uma boa alternativa, em torno de 115 quilômetros da capital. Localizada na divisa de Mogi das Cruzes e Bertioga, essa reserva ambiental de 7 mil hectares recebe atualmente apenas 20 visitantes por dia. Atualmente as atividades se dividem entre trilhas autoguiadas e monitoradas, com percursos que duram de 30 minutos a quatro horas, e canoagem por cerca de 3 quilômetros do Rio Itatinga. Cicloturismo e camping estão suspensos no momento. É necessário agendamento pelo email [email protected] Para fins de semana, há disponibilidade só de junho em diante; Parque das Neblinas. Rodovia Professor Francisco Ribeiro Nogueira, km 85, Mogi das Cruzes, (11) 4724-0555. 3ª/dom., 8h30/17h. Atividades: trilhas monitoradas, R$ 50; autoguiadas (apenas sáb., dom. e feriados), R$ 40; canoagem, R$ 95.
Embarque no trem republicano de Itu
Serviço de bordo e guias treinados para contar a história da Proclamação da República embalam a viagem no Trem Republicano, batizado assim em alusão à Convenção de Itu, realizada em 1873. Com projeto assinado pela arquiteta Lucille Amaral, os vagões receberam nomes de personalidades relacionadas à história local, como o ator Anselmo Duarte (nascido em Salto) e Prudente de Moraes, primeiro presidente eleito por voto. O carro Anselmo Duarte. O trajeto entre Itu e Salto dura aproximadamente uma hora e pode ser realizado em qualquer sentido. Se for fazer os dois trechos no mesmo dia, o indicado é começar em Itu porque o trem parte de lá pela manhã e retorna de Salto à tarde.
As estações ferroviárias das duas cidades foram revitalizadas pela empresa Serra Verde Express, também responsável pelo tradicional passeio de trem entre Curitiba e Morretes, no Paraná. Para até 140 passageiros, o trem no interior paulista está funcionando com metade da capacidade na pandemia. Diariamente os vagões passam por um processo de desinfecção por névoas, com eficiência de até 72 horas.
Trem Republicano. Praça Dr. Gaspar Ricardo, 70, Vila Padre Bento, 0800-880-1320. Sáb., dom. e feriados: saídas Itu-Salto, 9h e 14h; direção contrária, 11h e 16h. No dia 12/2: Itu-Salto, 9h; direção contrária, 16h. R$ 77 por trecho (crianças de até 12 anos pagam meio ingresso).
Em Embu, artesanato e mel
A tradicional feira de artesanato conta com 480 expositores cadastrados no total. Atualmente, a Prefeitura de Embu das Artes permitiu que os artesãos exponham no centro histórico em sistema de rodízio, para manter o distanciamento. Do dia 15 ao dia 19/2, haverá feira com algumas barracas, pois será facultativa a presença de expositores – nesse período, a cidade terá dois feriados seguidos: carnaval, de 15 a 17/2, e emancipação do município, nos outros dois dias. A cerca de 30 quilômetros da capital, Embu também atrai gente interessada em móveis rústicos. Mobiliário em madeira e peças coloridas feitas à mão por artesãos locais estão em lojas e decoram alguns dos restaurantes.
Para crianças de 2 a 10 anos, a Cidade das Abelhas é um programinha ao ar livre bem interessante. Cercada de Mata Atlântica, a atração tem circuito de arvorismo, escorregador, apiário e espaços educativos onde se aprende mais sobre a vida desses insetos. A lojinha vende vários produtos de mel. A atração atualmente funciona em horário reduzido, e as visitas aos fins de semana e feriados exigem agendamento.
Feira de Embu das Artes. Centro histórico. Sáb., dom. e feriados, 11h/18h. Cidade das Abelhas. Estrada da Ressaca, km 7, Embu das Artes/Cotia, 4703-6460. 3ª a dom. e feriados, 10h/16h. R$ 30 (menores de 3 anos e maiores de 65 anos, grátis).