Almanaque+

Picape Santa Cruz vai finalmente chegar às lojas

A Hyundai anunciou que no próximo dia 15 de abril apresentará oficialmente a picape Santa Cruz. Depois de idas e vindas do projeto, mostrado publicamente em 2015, ela aparecerá na versão de produção. Pela primeira vez, a marca revelou alguns esboços (que mais se parecem com imagens oficiais) de como ficará o visual do modelo.
Praticamente igual a do SUV, a grade se une às luzes de LED e formam um só elemento. Sua parte luminosa, chamada pela Hyundai de “luzes paramétricas escondidas”, entrega um efeito tridimensional. Por sua vez, os faróis principais ficam mais abaixo e trazem um moldura mais quadrada.
O visual da traseira se distancia do SUV Tucson e apresenta um desenho próprio. Na orientação horizontal, as lanternas parecem dois martelos. Com poucos vincos, a parte de trás é chapada e deixa todas as linhas mais ousadas para a dianteira e para a portas.
O emblema da marca vem estampado na abertura da caçamba e o nome do modelo está escrito na própria tampa da caçamba. Assim como a Ford Maverick e a Fiat Toro, a picape terá arquitetura em monobloco. Ou seja, é produzida sobre a plataforma de um automóvel (neste caso, o Tucson). Além disso, é provável que ela chegue ao mercado disponibilizando somente tração dianteira. Por enquanto. Posteriormente, poderá oferecer tração integral.
A Hyundai vai informar as motorizações só no momento do lançamento da Santa Cruz. Guarda segredo. Contudo, a picape deve repetir o trem de força do Tucson. Utilizará o motor de quatro cilindros e 2.5 litros a gasolina que desenvolve até 187 cv e 24,6 mkgf de torque.
Uma segunda oferta de propulsão poderá levar o motor de quatro cilindros 2.0 turboalimentado que entrega até 245 cv de potência.
Em um primeiro momento, a produção da Santa Cruz ocorrerá no Alabama (Estados Unidos) e deve começar em breve. A Hyundai ainda não se pronunciou sobre a vinda da picape ao Brasil. Contudo, tendo em vista o vasto mercado de utilitários no País, sua comercialização aqui seria bastante estratégica.
Um flagra confirmou ainda que a semelhança com o Tucson vai além da parte externa. Pela imagem, o console da picape apresenta acabamento em couro, assim como o do SUV. Ao que aparenta, o formato do volante também é igual, com uma barra abaixo da buzina.
Contudo, a nova picape deverá apresentar um acabamento um pouco menos refinado. Embora escondidos por uma tela, podemos ver que a central multimídia do carro fica abaixo da saída do ar-condicionado e acima de botões analógicos de comando. O painel digital também é analógico. É a mesma ergonomia vista no conceito do carro.
RIVAL INCÓGNITA
Um dos conceitos mais interessantes do Salão do Automóvel de São Paulo, em 2018, foi a Volkswagen Tarok. Com tamanho similar ao da Fiat Toro, a picape da marca alemã foi criada pela filial brasileira sobre o chassi do SUV compacto T-Cross. Na época, o projeto foi considerado altamente promissor, com lançamento previsto para 2021.
Pois bem, passados dois anos, a Tarok está longe de ganhar produção e não chegará antes de 2023. Além disso, vai receber um “upgrade”. Em vez de utilizar a arquitetura MQB-A0 do T-Cross, a Tarok terá a plataforma maior MQB-A do SUV Taos, futuro rival do Jeep Compass que será lançado em breve.
O Taos é tratado internamente pelo código VW316, enquanto a Tarok responde pelo projeto VW317. Ou seja, os modelos serão pares, o que faz todo sentido, já que a picape será produzida na fábrica argentina de General Pacheco ao lado do SUV médio. Isso também significa que os modelos irão compartilhar equipamentos e mecânica.
A Volkswagen Tarok terá dimensões quase idênticas às da Toro. A largura, por exemplo, será a mesma do Taos (1,84 metro), que por sua vez é a mesma da picape Fiat. O entre-eixos também deverá ter os 2,99 metros do modelo da marca italiana. Para adicionar a caçamba, a VW vai “esticar” o chassi do Taos, que tem 2,68 metros de distância entre-eixos. Ela poderá usar o conjunto da Amarok, um 2.0 turbodiesel de 180 cv e 42,8 mkgf de torque.
Para cima