Economia

Pix será opção para recolhimento de contribuições ao INSS, diz diretor do BC

O diretor de Organização do Sistema Financeiro, João Manoel Pinho de Mello, afirmou nesta quinta-feira que o Pix – o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos – será uma opção para o recolhimento de contribuições ao INSS. Segundo ele, o BC assinou mais um acordo de cooperação para uso de Pix em pagamentos, desta vez com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho.

O BC já havia firmado anteriormente acordos com o Tesouro Nacional e com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Por meio deles, usuários poderão pagar contribuições e contas de luz, por exemplo, por meio do Pix.

O Pix é um sistema que permitirá pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano. O processo de cadastramento das chaves no sistema pelos clientes começou em 5 de novembro. Conforme Pinho de Mello, em 12 dias começará o período de operações restritas.

Em 16 de novembro, o sistema começará a funcionar. A chave de usuário é um identificador de contas: o cliente pode cadastrar um número de celular, e-mail, CPF, CNPJ ou um EVP (uma sequência de 32 dígitos a ser solicitado no banco). Por meio da chave, será possível receber pagamentos e transferências.

A chave é um “facilitador” para identificar o recebedor, mas não é indispensável para receber um Pix.

De acordo com o diretor, até o meio dia de hoje 48,5 milhões de chaves já haviam sido cadastradas. Um total de 762 instituições já foram aprovadas para ofertar o Pix em novembro.

“Temos até o momento 43 reclamações de cadastro indevido no Pix”, afirmou Pinho de Mello.

Segundo ele, o baixo número de reclamações é uma indicação do quanto o sistema é seguro. “O Pix é tão seguro ou mais seguro que os demais meios de pagamentos digitais”, disse.

Pinho de Mello participou nesta tarde, por videoconferência, da abertura do Fórum Pix, promovido pelo Banco Central.

Para cima