Educação

Professores avaliam primeira etapa do Enem

A primeira etapa do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 foi realizada neste domingo (17), e o teste contemplou 90 questões de múltipla escolha, sendo 45 de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e 45 de Ciências Humanas e suas Tecnologias, além da redação.

Já na sequência da prova, os professores do Mater Dei fizeram uma live comentada sobre o conteúdo que foi pedido aos alunos. Conforme Marcos Pizzolatto, que leciona História e Sociologia para ensino Médio e pré-vestibular, as questões mantiveram o estilo das demais provas do Enem, ou seja, foram bastante interpretativas e menos conteudistas, o que é, para ele, o grande diferencial desta prova em relação aos demais vestibulares do país. “Não houve grandes surpresas diante das expectativas, apenas algumas abordagens não convencionais. Por exemplo, o tema escravidão africana é esperado em todas as provas. Este ano o Enem criou uma questão sobre a escravidão asiática, associando-a a africana. Outro apontamento interessante foi a quantidade de questões que giravam em torno do eixo trabalho ou empregabilidade. Foram quatro questões na prova de Ciências Humanas que tem um total de 45”, destaca.

Para o professor, a prova teve um nível de dificuldade entre médio e baixo. “O aluno habilidoso em leitura e interpretação de textos obteve um bom desempenho”, avalia.

Marcos chama a atenção ainda para a baixa incidência de questões de história contemporânea, ou seja, a partir da Revolução Francesa. “Temas relevantes do século XIX e XX praticamente não apareceram, e quando surgiram foi de forma transversal. Em uma comparação da importância destes assuntos seria como dizer que os assuntos de História do segundo ano do Ensino Médio não foram extensivamente cobrados. Típico do Enem, as questões de imagética, unindo imagens e significados históricos, como charges, pinturas e fotografias, também estavam ausentes da prova. Por isso, é possível dizer que, apesar de não terem aparecido questões surpreendentes, sentimos ausências importantes na prova”, falou.

Redação

A professora de Português, Redação e Inglês Bruna Kely de Jesus, acredita que a temática “ O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira” foi muito pertinente e atendeu às expectativas, já que dentre os vários eixos temáticos havia selecionado Saúde e Educação para revisar com os alunos. “Considerando a atual conjuntura, a frase temática tratou de uma questão sobre a qual realmente precisamos falar, e visto que um dos objetivos do Enem é justamente avaliar se o concluinte do Ensino Médio é capaz de lidar com temáticas dessa natureza, que possibilitam discussões a partir de diferentes perspectivas, disciplinas ou áreas do conhecimento, de forma contextualizada, integrada e crítica, a fim de elucidar as mazelas que surgem ao refletirmos sobre esses temas”, comenta.

Sobre as questões da prova de Linguagens, códigos e suas tecnologias, Bruna avaliou que exigiram dos estudantes conteúdos recorrentes nos últimos anos, como interpretação de texto. “Aliás, isso aparece ao longo de toda a prova”. Também foram cobrados gêneros e tipologias textuais, variações linguísticas, funções da linguagem, intertextualidade e figuras de linguagem. “Sempre digo aos meus alunos que vivemos mergulhados em um mar de sistemas simbólicos, os quais possibilitam a leitura, a análise, o desvelamento e a crítica. Partindo dessa perspectiva, é de suma importância que os alunos sejam capazes de interpretar diferentes textos, deduzir significados, perceber implícitos, desvendar intenções e interagir com discursos, mas não de forma ingênua, outra exigência do Enem”.

Próxima etapa

Para a próxima etapa, que será no próximo domingo (24), o professor de matemática e física Paulo Sergio Dietrich espera uma prova semelhante ao nível de cobrança dos anos anteriores, que vai exigir dos alunos conhecimento teórico. “A prova de natureza, por contemplar física, química e biologia, pode ser considerada a mais difícil. Além d eo aluno ter conhecimento de conteúdo, ele ainda deve lembrar de fórmulas para responder questões de física e química”, fala.

A prova de matemática, considerada difícil por parte dos alunos, também deve repetir o nível. “Assuntos como estatística, probabilidade, funções, análise combinatória e geometria devem aparecer na prova”.

Sergio recomenta que, nessa semana que antecede a prova, os alunos resolvam provas anteriores do Enem. “Dessa forma, ele consegue perceber a forma como os assuntos são cobrados”, finaliza.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima