Especial

Equipes esportivas buscam proteção nas bênçãos de frei Policarpo

Frei Policarpo em Brasília - Foto: Acervo Inelci Pedro Matiello

Há décadas as equipes esportivas de Pato Branco, de diversas modalidades, têm fé nas bênçãos de frei Policarpo, pedindo proteção em viagens, para os atletas não se machucarem durante os jogos e também na busca por resultados positivos e títulos. Isso ocorre desde equipes amadoras até profissionais, como o Palmeiras e o Internacional, duas equipes da cidade que fizeram fusão em 1979, surgindo o Pato Branco Esporte Clube. Como diz o radialista Inleci Pedro Matiello “quando o time não está ganhando chame o Policarpo para a bênção que resolve”.

O futsal de Pato Branco, que tem conquistas de peso como o bicampeonato da Liga Nacional, Taça Brasil, Liga Sul e Campeonato Paranaense, entre outros títulos, também é movido pela fé no religioso. Tudo se refere à família Lavarda, com Dolivar (in memoriam), que foi o grande responsável pelo desenvolvimento da modalidade na cidade, juntamente com sua esposa Terezinha e com o filho Luiz Sérgio Lavarda (Lavardinha), que foi campeão como jogador e agora como dirigente.

Além disso, equipes de outras modalidades buscam a proteção do frei, como o Pato Basquete, atual campeão paranaense da Série Ouro, que também disputa o NBB. O presidente do Pato Basquete, Marcelo Pastorello, disse que buscam a proteção de Policarpo desde a época de equipes de basquete que representavam a cidade em competições como os Jogos Abertos do Paraná (JAPs).

Matiello e Policarpo na despedida de João Gualberto – Foto: Acervo Inelci Pedro Matiello
Futebol

O radialista Inelci Pedro Matiello lembra que desde 1958 quando a cidade tinha futebol amador, com as equipes do Palmeiras e do Internacional, que o frei Policarpo faz as bênçãos. “Quando uma equipe não ganhava há muito tempo chamava o frei Policarpo para a bênção nos jogadores e no estádio e a coisa resolvia”, afirmou.

Matiello acrescentou que as bênçãos do frei também ocorreram no Pato Branco Esporte Clube, que surgiu da fusão de Palmeiras e Internacional. “O frei Policarpo também incentivava o esporte através do rádio. Ele sempre nos deu toda a liberdade para transmitir os jogos, principalmente de futebol”, destacou

Com relação a contribuição de frei Policarpo para o desenvolvimento de Pato Branco, Matiello afirmou que ele foi o “maior comunicador”, sem estar por trás dos microfones, pois conseguiu a concessão da Rádio Celinauta e da TV Sudoeste. Além disso, conseguiu concessão para outras rádios da cidade e região. “Frei Policarpo tem uma inteligência ímpar. As pessoas pediam para ele montar o processo todo para a concessão de rádios e o frei fazia sem cobrar nada e ia de ônibus para Brasília, onde ficava no Ministério das Comunicações até ser atendido pelo ministro”, afirmou.

 Matiello acrescentou que Policarpo sempre foi um homem atuante em todos os segmentos da sociedade, pois ia para a rádio, rezava missas e atendia as pessoas para confissões nas capelas, além de ser muito inteligente. Ele era uma das poucas pessoas de Pato Branco que recebia o Diário Oficial da União.

Após o bicampeonato do Liga Nacional, o presidente do Pato Futsal, presentou o frei com camisa e a medalha – Foto: Acervo família Lavarda
Futsal

O presidente do Pato Futsal, Luiz Sérgio Lavarda, afirmou que a história do frei Policarpo com a sua família é muito antiga. “Principalmente a minha mãe, dona Terezinha, sempre visita o frei pedindo a proteção de todos nós”, revelou.

Lavarda acrescentou que desde a época em que era jogador do Grêmio Industrial Patobranquense, campeão estadual de 1990, buscavam a bênção do frei Policarpo pedindo proteção para que todos pudessem viajar tranquilos, que tudo ocorresse bem e ninguém se machucasse.

O mesmo ocorreu com o Clube Atlético Patobranquense, que seu pai Dolivar Lavarda era o presidente e depois foi campeão paranaense da Série Ouro, em 2006. “Ele sempre nos ajudou muito. Era uma força a mais que sempre tínhamos e a gente até comentava após receber a bênção do frei Policarpo que não tinha como perder. As pessoas que acreditam, que são principalmente os pato-branquenses, se sentem muito mais protegidas com ele do lado por tudo o que o frei tem ajudado as pessoas no município há tanto tempo, dando força, fazendo com que elas acreditem e tenham fé”, destacou.

Medalha

Lavarda conta que teve a oportunidade de entregar para o frei a medalha de campeão da Liga Nacional, que ganharam em Sorocaba (SP), e também uma camisa do Pato Futsal. “Naquela semana, antes da final da última Liga Nacional, recebemos uma mensagem muito bacana do frei Policarpo desejando boa viagem e a proteção que ele estava pedido a Deus por nós e a gente foi fortalecido para a decisão.  Além de entregar a medalha e a camisa, fiz uma singela homenagem a ele em agradecimento por tantas orações e cuidado que o frei tem com a gente, desde sempre. A gente sabe que existem várias religiões e crenças, mas nós pato-branquenses temos uma fé muito grande nesse poder do frei Policarpo, a energia boa que ele passa para nós e a confiança que com as bênçãos ele consegue gerar em todos nós. O frei faz parte do nosso futsal nos três clubes, desde a época do Grêmio, depois do Atlético e agora o Pato. Nós temos muito carinho e respeito por ele e sempre que o frei está conosco nos sentimos mais fortes, mais confiantes e acreditando que tudo é possível. A gente torce para que ele tenha vida longa e possa estar conosco por muito mais tempo”, completou.

Basquete

O presidente do Pato Basquete, Marcelo Pastorello, também enalteceu a fé nas bênçãos do frei Policarpo, pedindo proteção nas viagens da equipe desde a época em que disputavam os Jogos Abertos do Paraná. “Com a bênção do frei Policarpo a equipe ganha confiança na busca pela vitória, pois sem fé não se vai a lugar nenhum”, destacou.

Pastorello acrescentou que o frei Policarpo tem uma enorme importância cultural em Pato Branco, com a implantação da Rádio Celinauta e da TV Sudoeste, tendo uma visão econômica, além da parte espiritual, contribuindo para o crescimento da cidade. “O frei Policarpo é culto, politizado e apaixonado por Pato Branco. Ele está na cidade há décadas e a população tem fé nas suas bênçãos. Eu nasci e me criei em Pato Branco e admiro o frei Policarpo, que contribuiu para o crescimento da cidade”, concluiu.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima