Esportes

Atlético, Barcelona e Real esquentam luta mais acirrada por taça dos últimos anos

O torcedor espanhol se acostumou a ver Barcelona e Real Madrid como protagonistas na briga pelo Campeonato Espanhol enquanto os demais times ficavam relegados à condição de coadjuvantes. Mas, nesta temporada, o enredo da trama teve uma alteração. E o Atlético de Madrid, acostumado ao papel de figurante, entrou em cena para mudar o roteiro da história dando à competição a certeza de capítulos finais bem emocionantes.

Faltando dez rodadas para o fim do Espanhol, a briga entre os três postulantes está cada vez mais acirrada. E os números mostram isso. Se em edições anteriores o campeão quase sempre ultrapassava os 95 pontos, esta temporada indica que o título pode ser arrebatado com um aproveitamento bem mais modesto devido à divisão de forças. A projeção é de que 85 pontos sejam suficientes para o time vencedor erguer o troféu.

A diferença entre o líder Atlético para o terceiro colocado Real Madrid é de seis pontos na tabela de classificação (66 a 60). Imprensado entre as duas equipes, o Barcelona surge com o segundo lugar (62).

E a rodada do final de semana reserva ainda mais desafios para os times que pleiteiam o título do campeonato. O Atlético tem o jogo mais difícil entre os líderes. No domingo, enfrenta o Sevilla longe de seus domínios em um jogo fundamental para manter essa pequena distância da dupla Barça/Real. O momento do time, porém, já foi melhor. Dos últimos cinco jogos, o Atlético venceu apenas dois compromissos. Um novo tropeço pode sinalizar uma queda de rendimento num momento crucial.

Capitão da equipe, o volante Koke sabe que o campeonato vive um momento de definições onde erros não são permitidos. “Todos sabem que ligas são conquistadas nesta parte da temporada. Se não conquistarmos a liga espanhola, será sofrido para todos nós. Investimos muito, tivemos pessoas afastadas pela covid-19, lesões, e talvez isso esteja nos fazendo sofrer um pouco agora”, disse.

Também na briga pelo título, o Real Madrid se divide em duas frentes. Neste sábado, a equipe merengue recebe o Eibar, que tem como único objetivo fugir da degola. Na semana que vem, o foco passa a ser a Liga dos Campeões no confronto de ida das quartas de final diante do Liverpool. Um tropeço diante do frágil Eibar aumenta ainda mais distância para o Atlético e um mau resultado contra os ingleses pode ser sinônimo de complicação para a sua sequência no torneio mais importante da Europa.

“Todos estão vendo em cada jogo como lutamos até o fim. Não importa os pontos de diferença para Atlético e Barcelona porque vamos lutar até o fim sempre”, comentou atacante Rodrygo, ex-Santos, recuperado de uma lesão na coxa, que o deixou fora de 12 jogos do atual campeão espanhol.

“Todo o tempo em que estive fora foi difícil. Eu já não aguentava mais ficar sem jogar e ter que acompanhar os jogos pela televisão. Estava ficando nervoso, mas agora estou muito feliz e trabalhando a cada dia para estar melhor. O mais difícil é voltar a ter o ritmo e a confiança que eu tinha antes de me lesionar”, admitiu.

Já o Barcelona terá a chance de capitalizar qualquer deslize dos seus dois adversários diretos. O time catalão só entra em campo na segunda-feira, quando vai receber o Valladolid.

O técnico Ronald Koeman sabe que uma vitória é fundamental para seguir no encalço do Atlético e faz questão de fazer valer o mando de campo em busca dos três pontos. O desempenho recente mostra a força da equipe que não perde no Espanhol desde dezembro e venceu 15 de seus 18 embates de lá para cá, o que dá um aproveitamento de 81,4%.

Mais do que nunca o poder ofensivo vai ser fundamental para manter o time próximo do seu objetivo contra um rival que busca sair das últimas colocações (é 16.º).

Para cima