Contra o Red Bull Bragantino, Corinthians quer vitória e tranquilidade

O Corinthians venceu apenas um dos últimos seis jogos que disputou no Campeonato Brasileiro. O péssimo retrospecto derrubou o técnico Tiago Nunes e pressiona o interino Dyego Coelho. Somar três pontos às 21h deste sábado, contra o Red Bull Bragantino, em Bragança Paulista, é fundamental para dar um pouco de tranquilidade à diretoria, jogadores e comissão técnica. E, também, para evitar que o time entre na zona de rebaixamento – dois pontos o separam da degola do Brasileiro.

Um novo tropeço deve fazer com que o presidente Andrés Sanchez contrate um técnico efetivo. Dunga é o primeiro nome dessa lista. O ex-técnico da seleção chegaria para tentar acalmar os ânimos e também com a dura missão de tirar um time pressionado das últimas colocações na tabela – na quarta-feira tem clássico com o Santos na Neo Química Arena.

Os jogadores do Corinthians evitam falar em crise e projetam uma rápida evolução. “Vai ser um jogo difícil como tem sido os outros, mas a gente é o Corinthians, temos que entrar fortes sempre, tenho certeza de que vamos dar uma resposta. O grupo aqui é muito bom, trabalhador, quem começar o jogo vai dar o seu melhor e quem entrar vai dar conta do recado”, disse o atacante Léo Natel.

Titular no empate sem gols com o Atlético-GO em casa, o jogador de 23 anos tem ganhado espaço na equipe de Coelho. A tendência é que siga no time. “Sabemos que precisamos melhorar muito, mas também não está tudo errado, a gente faz coisas boas também, temos que continuar trabalhando. Todo mundo vai ver uma grande melhora, a tendência é dar certo em breve”, afirmou.

Apesar do otimismo, o fato é que o Corinthians tem um péssimo retrospecto fora de casa no Brasileirão. Em seis jogos, foram quatro derrotas, um empate e somente uma vitória, aproveitamento de 22,2%.

Para enfrentar o Bragantino, Coelho terá força máxima, pois Fagner está de volta após cumprir suspensão. Cazares, ainda fora de forma, deve começar mais uma vez na reserva. Boselli e Jô disputam a posição no comando do ataque.

Quem perdeu espaço após a demissão de Tiago Nunes foi o volante Éderson. Destaque nos primeiros jogos pelo clube, no início do semestre, ele nem no banco de reservas ficou na partida contra o Atlético-GO.

O interino abriu espaço para jovens da base no meio-campo como Xavier e Roni. Éderson continua treinando normalmente com o restante do elenco e aprimora a forma física. Mas por enquanto deve seguir fora da equipe.