Esportes

Em despedida da dupla, holandês e croata conquistam o título do ATP Finals

Com experiência nas chaves de duplas da ATP, o holandês Wesley Koolhof e o croata Nikola Mektic uniram forças para jogar juntos em janeiro deste ano. Em meio a uma temporada encurtada por causa da pandemia do novo coronavírus, os dois até conseguiram boas campanhas, mas a melhor delas veio neste domingo com o título do ATP Finals, em Londres, ao baterem o austríaco Jurgen Melzer e o francês Edouard Roger-Vasselin por 2 sets a 1 – parciais de 6/2, 3/6 e 10 a 5 no match tie-break, em 1 hora e 16 minutos.

A conquista do torneio que reúne os melhores da temporada foi o primeiro e único da dupla, que já anunciou a separação para 2021. Mektic jogará ao lado do também croata Mate Pavic, enquanto que Koolhof terá como parceiro o polonês Lukasz Kubot. Essas mudanças afetam até mesmo os dois principais brasileiros no ranking: Bruno Soares voltará a jogar ao lado do britânico Jamie Murray, enquanto que Marcelo Melo terá uma parceria inédita com o holandês Jean-Julien Rojer.

Ambos com 31 anos, Koolhof e Mektic chegaram a Londres como a quinta melhor dupla da temporada, tendo como principais resultados a final do US Open, em Nova York, e a semifinal de Roland Garros, em Paris, além de também ficarem com o vice no ATP 250 de Marselha, na França. O croata tem agora oito títulos de ATP e o holandês, seis.

“Já foi um sonho ter se classificado para este torneio. Pensamos em jogar o nosso melhor tênis e ir avançando na fase de grupos. Vencemos ontem (sábado) jogando bem. Jogamos hoje (domingo) uma final, que é um sonho. E estamos muito felizes de conquistarmos o título”, disse Koolhof após a cerimônia de premiação. “Não posso explicar o que estou sentindo. Estou muito, muito feliz. É um sonho que virou realidade”, afirmou Mektic.

Já Melzer e Vasselin foram a última dupla a garantir vaga no ATP Finals, depois de chegarem à final do ATP 250 de Sofia, na Bulgária. Veterano de 39 anos e ex-Top 10 no ranking de simples, o tenista austríaco deverá se aposentar no ano que vem.

Para cima