Real Madruga, adversário do Pato na Copa do Brasil não esconde admiração

Mesmo o Pato Futsal não tendo efetivado a inscrição na Copa do Brasil 2020 até esta semana, a direção do atual bicampeão da Liga Nacional de Futsal (LNF) confirma que o time vai disputar, o que pode ser um caminho mais curto para a Libertadores da América.

Mesmo antes de pensar na competição continental, o Pato conheceu na semana passada seu adversário na primeira fase da Copa do Brasil. O nome pode até soar uma brincadeira, e é. O Real Madruga foi criado em 2015 por um grupo de amigos, para inicialmente participar de competições de futebol 7 em Araçatuba (SP) e região, aos finais de semana, e mesmo a coisa ficando mais séria, precisou o confronto com uma equipe de renome mundial, o Corinthians, para que o primeiro patrocinador estampasse a camisa do bem-humorado time que homenageia o Real Madri e seu Madruga, personagem da turma do Chaves. 

A transformação ainda vem acontecendo na vida de jogadores, e dirigentes do time do interior de São Paulo. Prova é que somente nesta semana, foram retomados os treinamentos de equipe, que viu a chegada da pandemia em março suspender todas as atividades assim como as grandes equipes do futsal, mas que diferentemente, busca ajustar o horário disponível na quadra para a prática esportiva, ao mesmo tempo que seus jogadores seguem com seus trabalhos de carteira assinada, como entregadores, carregadores, entre outros.

O presidente da Associação Real Madruga, Bruno Yoshiy, é outro exemplo de mudança. O dirigente faz questão de recordar que o time nasceu do desejo de amigos se reunirem, também não esconde que tudo é muito novo. “Começamos a ganhar de uns times bons, e isso começou a chamar a atenção de bastante gente”.

Bruno, que era mais adaptado as regras do futebol 7, afirma, “eu não entendia nada. E até hoje eu não entendo muito de futsal, então para mim quem ficava lá na frente, que é o pivô, pra mim era atacante; o fixo para mim era o zagueiro. Eu nunca entendi nada”, comenta, lembrando que mesmo ele não tendo um histórico com a modalidade a cidade de Araçatuba, possuiu. Foi lá que iniciaram os irmãos Lenísio e Vinícius, campeões mundiais pela seleção brasileira e Rodrigo, atual capitão da seleção.

Pato Futsal

Foi em 2017, ano que o Pato disputou a primeira LNF que Bruno manteve o primeiro contato com a equipe paranaense. Segundo ele, oferecendo jogadores do elenco para avaliação, no então novato da competição.

Entre as revelações da equipe paulista estavam Piter [artilheiro do Rela Madruga em duas competições de 2017], que em 2018 foi contratado pelo Carlos Barbosa, onde foi campeão gaúcho e da Libertadores, e que hoje está em Portugal.

Os caminhos novamente se cruzaram com a desistência do Corinthians e a definição do confronto na Copa do Brasil. “É uma satisfação imensurável, estar numa mesma quadra que o time do Pato que pelo que vemos é um time de raça, vontade. É tudo o que a gente é”, diz Bruno completando, “vamos estar feliz, mesmo se a gente tomar [uma goleada], mas a sensação que vamos ter é de alegria”.

Neguinho

O time que o Real Madruga vai enfrentar vai ter o reforço de Neguinho. Depois do ala ter se despedido do Pato, nesta quinta-feira (3), ele teve sua documentação regularizada e volta a defender o Pato Futsal, em sua quarta temporada.

Piter

De Portugal, Piter comenta como foi jogar pelo Real Madruga. “O clube que me revelou para o futsal, tenho um carinho enorme e nunca vou esquecer o que todos do Real fizeram para eu chegar onde estou hoje”, diz, falando em felicidade de ver a equipe disputando a Copa do Brasil, “é uma competição muito forte, não é por nada que vão pegar o atual campeão nacional.”

Raiz em Pato Branco

A presença do Real Madruga em Pato Branco, pode servir para uma “volta para as origens”. Bruno presidente do Real, revela que Sérgio Tumelero, secretário de Esportes, Lazer e Recreação de Araçatuba nasceu em Pato Branco, e quer acompanhar a equipe para viagem que vem sendo tratada como histórica pelos dirigentes e jogadores.