1Na quadra da Mancha Verde, famílias e crianças fazem festa do título

ADRIANO MANEO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Reginaldo Pereira, 43, palmeirense, não foi ao estádio por opção própria. “Estou muito ‘pé frio'”, explicou. E a superstição deu certo.

Os mais de 40 mil torcedores que compareceram ao Allianz Parque não foram os únicos a empurrar o time do Palmeiras para o título da Copa do Brasil, conquistado nesta quarta (2). A 1,5 km dali, palmeirenses lotaram a quadra da Mancha Verde e empurraram o time à distância.

Entre os presentes, muitas famílias e crianças. Fabrício Arkemy assistiu o jogo de camarote. Com apenas 10 meses de idade, foi acompanhado de mãe, avós, tio e primo e viu um título do Palmeiras pela primeira vez do conforto de um carrinho de bebê.

“A gente sempre vem”, disse Tauane Arkemy, 20, a mãe, que já havia trazido o filho na primeira partida e garantia que o garoto traria sorte.

As mulheres também marcaram forte presença na sede da torcida palmeirense. Daniela Souza, 32, a Tia Dana da Mancha, liderava a cantoria de um grupo de nove moças. “A gente estava na [Rua] Turiassu, mas lá estava tipo uma zona de guerra, com muita bomba e fogos. Decidimos vir para cá”, disse.

Meia hora antes da partida começar, a bateria começou a animar a festa e os gritos de “Olê, Porco” começaram. Proibidos nos estádios, os bandeirões com mastro tremulavam e, confiantes, os palmeirenses anteviam o melhor. “Seremos campeões”, entoavam os torcedores.

O barulho já era ensurdecedor, mas aumentou quando, em menos de 15 segundos, Gabriel Jesus quase abriu o placar. Era o combustível que a torcida precisava para cantar a noite toda.

Aos 7 min do primeiro tempo, o chute de Victor Ferraz, lateral direito do Santos, na trave, assustou os palmeirenses e, com o jogo equilibrado a tensão aumentava. “Durante o jogo está assim, se for pros pênaltis pode chamar o Samu”, brincou o motorista Fabiano Gryllo, 30.

O receio de Gryllo se concretizou, quando, após quase ter o título garantido com um 2 a 0, Ricardo Oliveira diminuiu para o Santos e levou a decisão para os pênaltis.

O clima ficou mais pesado e os torcedores fizeram se abraçaram e fizeram uma corrente para mandar forças à equipe. O nome de Fernando Prass foi gritado à exaustão antes e depois da disputa.

Herói da noite, o goleiro não só pegou um dos pênaltis como balançou as redes para dar fim à decisão. O goleiro poupou o coração dos cardíacos palmeirenses e garantiu a festa alviverde.

Choro, festa e alívio. Noite de glória para o torcedor palmeirense.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima