Alta do milho afeta granjas de suínos e aves

Nessa quarta-feira (16) a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) realizou mais um leilão de milho dos estoques públicos. Somente nesta etapa foram leiloadas 22 mil toneladas de grãos que estavam armazenados no Mato Grosso.

Arquivo Diário do Sudoeste

Segundo o governo, a medida foi tomada, assim como nos leilões anteriores, para atender as necessidades de criadores de aves, suínos e bovinos. Contudo, os produtores questionam a ação da Conab, rebatendo que leilões como o realizado nessa quarta somente beneficiam grandes conglomerados produtores.

Segundo os produtores, eles não têm competitividade para em um leilão da Conab fazer frente a grandes aglomerados.

Juntos, suinocultores e avicultores vivem a expectativa de que a Conab libere parte do estoque de milho para a comercialização de balcão, uma vez que os preços elevados da commodity vêm afetando diretamente os dois setores.

Para o presidente da APS (Associação Paranaense de Suinocultores), Jacir José Dariva, que nesta quinta-feira (17) deve se reunir com representantes da Conab e com o secretário Norberto Ortigara (Agricultura e Abastecimento), os pequenos produtores não têm acesso à matéria-prima por meio de leilões, que representa 70% da base alimentar dos suínos.

Por sermos exportadores de milho, nas safras passadas era difícil o governo interferir, mas nesta, não temos milho para dar aos animais, afirma Dariva.

Segundo o presidente da APS, o produtor vem se virando na tentativa de conseguir o cereal com cooperativas e cerealistas, no entanto, na lei de oferta e procura, os preços superam os R$ 40 a saca.

Granjeiro, Edivar Martini trabalha atualmente com suinocultura e aves de postura, porém, desmotivado pelos altos custos de produção, ele afirma que nos próximos meses a suinocultura terá o mesmo fim do gado leiteiro. Iniciei na suinocultura em 1979, do plantel que tinha ao fim de 2015 já reduzi para a metade, e em três a cinco meses devo abandonar o setor, comenta, recordando que no passado o Sudoeste foi considerado o berço da suinocultura brasileira.

Ovos

Divulgação

No mercado, o consumidor percebeu nos últimos dias a alta da dúzia de ovos, que chegou a R$ 5.

Na granja, segundo Martini os fatores que levaram à elevação do preço pago pelo consumidor também foram drásticos, o que leva o produtor afirmar que os preços estão deteriorando com os produtores.

Martini comenta que a mesma alta (preço do milho) sentida pelos produtores de suínos é o que vem agravando o segmento das aves, e que segundo ele, e como o Diário do Sudoeste noticiou em janeiro, vem desmotivando os produtores de leite na região.

Em sua visão, a política de incentivo ao produtor deveria ser revista, com isso, passar a ser estabelecido o preço mínimo. Corremos o risco de que a situação piore.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima