Alvo de incêndio, Museu da Língua é conhecido por amplo acervo digital

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O Museu da Língua Portuguesa, foco de um incêndio de grandes proporções nesta segunda-feira (21), funciona em um imponente prédio na Luz, em São Paulo, desde 21 de março de 2006.

Diferentemente de outros centro culturais tradicionais, o espaço não tem acervo tombado. É conhecido, principalmente, pela memórias de suas exposições e material digital.

Com aproximadamente 4 mil metros quadrados abertos para a visitação, a instituição apresenta ao público a história, a importância e as variações da língua portuguesa. Em 2014, foi o quinto museu mais visitado de São Paulo, com 386.769.

A instituição já recebeu mostras como “Grande Sertão: Veredas” (2006), “Clarice Lispector – A Hora de Estrela” (2007), “Marchado de Assis: mas este capítulo não é sério” (2008), “Oswald de Andrade: o culpado de tudo” (2011), “Jorge Amado e Universal” (2012) e “Rubem Braga: O Fazendeiro do Ar” (2013).

Desde 20 de outubro, exibia “O Tempo e Eu e Vc – Câmara Cascudo no Museu da Língua Portuguesa”. Ela explora o universo de Luís da Câmara Cascudo (1898-1986), etnógrafo, escritor e estudioso da cultura popular brasileira, e tinha peças.

A vida e a obra de Cascudo são apresentadas por meio de ações interativas e tecnológicas. A mostra tem ainda peças em madeira e gesso, materiais altamente inflamáveis.

A exposição, que acontecia no primeiro andar do edifício, é dividida em cinco módulos: biografia, danças, oralidade, crenças e cozinha brasileira. Cascudo escreveu mais de 150 livros, como “Dicionário do Folclore Brasileiro” e “História da Alimentação no Brasil”.

O Museu da Língua tem equipe de criação e pesquisa composta por mais de 30 pessoas, entre sociólogos, museólogos, especialistas em língua portuguesa e artistas que trabalharam sob a orientação da Fundação Roberto Marinho, instituição responsável pela concepção e implantação do lugar.

O projeto, avaliado em cerca de R$ 37 milhões, tem autoria dos arquitetos Pedro Mendes da Rocha e Paulo Mendes da Rocha.

Às segundas-feiras, o museu não é aberto à visitação. De acordo com o Corpo de Bombeiros, por volta das 17h, 20 viaturas trabalhavam para extinguir as chamas no lugar. Ainda não há informações sobre vítimas.

Segundo informações preliminares, as chamas atingem o segundo e o terceiro andares do local. De acordo com uma funcionária do museu que não quis ser identificada, o incêndio começou na sala de exposições.

Funcionários relataram ainda que deixaram o prédio após ouvir o alarme. A estação da Luz, da CPTM, está fechada.

Além da exposição sobre Cascudo, o Museu da Língua exibia uma mostra com mais de cem obras entre charges, caricaturas e histórias em quadrinhos.

A exposição “Esta Sala é uma Piada” ficaria em exibição até 28 de fevereiro. Parte das obras estava em uma tela virtual.

Os desenhos foram selecionados do 42º Salão Internacional de Humor de Piracicaba, o evento mais importante do gênero no mundo.

Neste ano, o tema foi a sociedade contemporânea e a corrupção. Havia obras de países como Irã, Turquia, França e Cuba.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima