Aplaudido de pé, patinador brasileiro é primeiro tetra no Pan

ITALO NOGUEIRA, ENVIADO ESPECIAL
TORONTO, CANADÁ (FOLHAPRESS) – Aplaudido de pé pelo público no Exhibition Center, o patinador Marcel Stürmer, 29, conquistou neste domingo (12) sua quarta medalha de ouro em Jogos Pan Americanos, desta vez em Toronto.
Stürmer usou na rotina livre uma trilha sonora com uma combinação de cinco músicas dos Beatles. A execução levantou o público -o que não aconteceu com nenhum dos outros 15 patinadores que se apresentaram nesta tarde.
O patinador se torna o primeiro homem a conquistar um tetra no Pan numa mesma modalidade esportiva. A marca já havia sido atingida entre as mulheres com a carateca Lucélia Ribeiro, em Guadalajara-11.
“Quando comecei com seis anos no país do futebol, jamais imaginei que ganharia um Pan-Americano, muito menos cogitei bater um recorde. Essa apresentação representou não apenas os últimos quatro anos, mas a minha vida inteira. Serei eternamente conhecido como o primeiro homem que ganhou quatro medalhas de ouro [na mesma modalidade]”, disse o patinador.
Stürmer afirmou que este é o seu último Pan. Ele não sabe quando encerrará a carreira, mas afirmou que não vai participar dos próximos Jogos -ele ganhou medalha de ouro em Santo Domingo-03, Rio-07 e Guadalajara-11.
“Quero parar com esse recorde. Não é questão de parar por cima. Parar por cima é quando o atleta quer. É uma bobagem dizer que o atleta não soube a hora de parar. Isso é injusto. É o trabalho dele, ela vive disso”, afirmou o patinador.
Stürmer afirmou que sua carreira foi marcada por “ajuda zero ou alguma ajuda”. Ele disse que só obteve patrocínio após vencer o primeiro Pan.
“O que fica de reflexão para o país é que eu tive que ganhar o primeiro Pan para conseguir um patrocínio. Já tinha conseguido uma medalha no Mundial. Como um país-sede de uma Olimpíada, que sediou um Pan e que diz ter cultura esportiva, espera um atleta ser campeão para ter sua primeira ajuda de custo?”, disse ele.
Medalhista de prata no feminino, a patinadora Talita Haas, 20, disse que pode terminar a carreira esportiva em razão da falta de patrocínio. Ela vai se formar como engenheira química.
A prata no masculino ficou com o norte-americano John Burchfield e o bronze, com o colombiano Diego Duque.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima