Bauza quer trazer artilheiro do Argentino para o São Paulo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em entrevista neste domingo (21) à “Rádio Mitre”, da Argentina, o novo técnico do São Paulo, Edgardo Bauza, citou o nome de cinco jogadores que gostaria de contar para o ano de 2016 no São Paulo.

Um dos nomes citados por Bauza é o atacante Marco Rubén, 29, emprestado ao Rosario Central, da Argentina, pelo Dynamo de Kiev, da Ucrânia. Rubén foi artilheiro do Campeonato Argentino em 2015, com 21 gols. Nas primeiras sete rodadas marcou sete.

Rubén é atacante de área, destro, com longa passagem pela Europa, mas sem muito sucesso. O atacante jogou no River Plate de 2006 a 2008, quando foi contratado pelo Villareal. Ficou um ano emprestado, retornou para o time B e, de 2009 a 2012, fez parte do time principal, com 89 partidas e 21 gols no total.

Em 2012 foi contratado pelo Dynamo Kiev, mas com apenas 1 gol em 15 partidas foi emprestado ao Èvian da França, em 2013, e ao Tigres, do México, em 2014. Em 2015 chegou ao Rosario Central onde fez boa temporada.

No ano que vem, o atacante terá que retornar ao clube ucraniano, caso não haja propostas por ele. O Dynamo pede US$ 6 milhões (R$ 24,1 milhão) pelo atacante.

EXPERIÊNCIA

Segundo jornalistas que acompanharam o trabalho de Bauza no Equador, pela LDU, e na Argentina, o treinador tem preferência por jogadores experientes.

À rádio, Bauza disse que “é preocupante como o São Paulo defendeu mal no último semestre”, afirmou que o time “precisa de um zagueiro central” e sugeriu três jogadores de defesa.

Para o miolo da zaga, disse que gostaria de contar com Lugano, ídolo são-paulino, que jogou a última temporada pelo Cerro Porteño. Com 35 anos, o uruguaio é constantemente pedido pela torcida.

Bauza também sugeriu três jogadores com quem trabalhou em sua passagem pelo San Lorenzo da Argentina. O lateral-direito Buffarini, 27, o zagueiro Caruzzo, 31, e o volante argentino naturalizado paraguaio Ortigoza, 31.

O volante Ortigoza é o principal nome para Bauza, que afirmou querer tê-lo “em qualquer equipe”. Apelidado de “Gordo”, pelo porte físico, Ortigoza é um volante de marcação forte e jogou quase toda a carreira no futebol argentino – teve uma breve passagem pelos Emirados Árabes, em 2012-2013.

Antes da Copa do Mundo de 2010, ele era cogitado para jogar pela Argentina, o que acabou não se concretizando, e naturalizou-se paraguaio para ir à África do Sul.

Ortigoza tem perfil de liderança e já usou a tarja de capitão pela seleção. Também é conhecido por ser ótimo batedor de pênaltis.

Na Copa América de 2015 jogou três partidas, mas ficou no banco na partida em que o Brasil foi eliminado pelo Paraguai. Em 2011, foi vice-campeão do torneio, jogando cinco partidas.

O lateral-direito Buffarini está no San Lorenzo desde 2012 e fez parte da campanha vitoriosa da Libertadores de 2014. O lateral-direito tem o respaldo do técnico argentino que disse não ter confiança no atual lateral do São Paulo, Bruno. Ele já havia sido cogitado no Morumbi, no meio deste ano, durante a passagem de Juan Carlos Osorio.

“O São Paulo sempre teve interesse no Buffarini. Sei que vão insistir. Obviamente eu gostaria de contar com ele”, disse Bauza.

O lateral argentino tem postura mais defensiva que Bruno. Em 36 partidas no ano, Buffarini tem dois gols e uma assistência. Ele tem contrato com o San Lorenzo até final de 2018.

Bauza também sugeriu o nome de Caruzzo, zagueiro argentino com quem trabalhou na última temporada no San Lorenzo. Caruzzo tem 31 anos e mais três anos de contrato com o clube, dificultando sua contratação. Bauza afirmou à Rádio Mitre que “o San Lorenzo não o vende”.

O zagueiro tem passagens pelo Argentinos Juniors e Universidad de Chile, mas ficou marcado no Brasil pela disputa com Emerson Sheik, quando jogava pelo Boca Juniors, na final da Libertadores de 2012, contra o Corinthians. O atacante corintiano chegou a morder a mão do zagueiro.

Nesta temporada, Caruzzo jogou 34 partidas, marcou quatro gols e tomou 17 cartões, sendo 3 vermelhos.

À Folha de S.Paulo, ele disse que “é uma honra que um técnico como ‘El Patón’ [como Bauza é conhecido] queira me contratar”. Caruzzo disse que o São Paulo é um dos grandes da América, mas que apesar de saber do interesse de Bauza “é difícil falar de suposições”.

“Se digo que eu gostaria, estaria faltando com o respeito às pessoas do San Lorenzo, e se digo que não, estaria fazendo o mesmo com as pessoas do São Paulo”, afirmou o zagueiro.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima