BRDE terá mais de R$ 1,3 bilhão para financiamentos no Paraná em 2016

A agência paranaense do BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul) tem um orçamento de R$ 1,33 bilhão para financiamentos em 2016. As contratações devem ser puxadas por projetos do agronegócio, energia e infraestrutura para municípios.

O montante previsto para este ano é superior ao orçamento inicial de 2015, de R$ 1 bilhão, que acabou sendo superado ao longo do ano pela forte procura por financiamentos, principalmente pelo agronegócio. Ao fim do ano, o BRDE fechou com o recorde de R$ 1,53 bilhão em contratações, 60% superior ao de 2014.

Jonas Oliveira/AEN
Inicialmente orçamento estimado para 2016 era de R$ 1 bilhão

O ano de 2015 foi muito bom, influenciado pela vocação econômica do Estado para o agronegócio. A meta de R$ 1 bilhão foi praticamente cumprida no primeiro semestre e aumentamos os volumes. Para 2016, apesar das incertezas do cenário econômico nacional, acreditamos que será mais um ano com volume bom de contratações diz Paulo Cesar Starke Junior, superintendente da agência de Curitiba.

A quem produz

O foco para 2016, de acordo com o diretor de operações, Wilson Quinteiro, será reforçar a missão de apoio ao desenvolvimento do Estado. Somos uma instituição de apoio para quem produz. Além do agronegócio e dos setores de energias renováveis, queremos apoiar a inovação, a infraestrutura dos municípios e também os negócios dos pequenos empreendedores, diz.

O agronegócio deve ser, novamente, o destaque dos negócios do banco. Mesmo com a crise econômica, que vem provocando o adiamento e o cancelamento de projetos de investimentos em todo o País, o setor continua a apresentar bons resultados, embalado pela safra de grãos, avicultura e suinocultura e pelo câmbio favorável às exportações.

Pelo menos 70% das operações do BRDE no Paraná estão relacionadas, de alguma maneira, à cadeia do agronegócio. Isso inclui desde a indústria metalmecânica que produz silos para armazenagem de grãos, ao produtor de sementes e ao pequeno aviário, observa Starke Júnior.

Participação

O Paraná respondeu por 45,58% das contratações e 38,7% dos desembolsos totais BRDE – que atua nos três Estados do Sul e mais o Mato Grosso do Sul – no ano passado. Foram cerca de 1,9 mil contratos no Estado.

Do total contratado no Paraná em 2015, 30% foram financiamentos a produtores rurais, operações que somaram R$ 455,1 milhões. Micro e pequenas empresas ficaram com R$ 135,4 milhões. Médias empresas, com R$ 115,5 milhões e grandes empresas, incluindo cooperativas, com R$ 824,1 milhões.

Segundo maior repassador do BNDES no Sul

Graças ao bom resultado de 2015, o BRDE já é o segundo maior repassador de recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social) na região Sul, segundo ranking divulgado pelo banco nacional. Em 2015, o BRDE respondeu por 13,5% dos desembolsos na região, atrás apenas do Banco do Brasil, com 18,6%.

Em termos nacionais, mesmo com a operação concentrada no Sul, o BRDE passou da nona para a sexta colocação nos desembolsos, com 4,1% de participação. Foram R$ 2,68 bilhões, com 6.850 operações aprovadas.

Esses bons resultados do banco, que só crescem, enquanto outras instituições financeiras estão retraindo o crédito, comprova o BRDE como importante indutor do desenvolvimento econômico e social do Sul do Brasil, diz o diretor administrativo do banco no Paraná, Orlando Pessuti.]

O avanço do BRDE no Paraná contrasta com o desempenho do próprio BNDES, que registrou queda tanto nas contratações como nos desembolsos em 2015. Os desembolsos somaram R$ 136 bilhões em 2015, 28% abaixo do observado no ano anterior. As aprovações de empréstimos caíram 47% no mesmo período, para R$ 109,4 bilhões.

Duramente afetado pela queda nos projetos de infraestrutura e o adiamento de investimentos, o BNDES também viu minguar o número de consultas, que recuaram 47% em 2015 na comparação com 2014, para R$ 124,6 bilhões. As consultas são uma espécie de termômetro da disposição das empresas em investir.

No Paraná, houve um aumento de 81% nas consultas em relação a 2014, ano afetado também por restrições orçamentárias. Mesmo em relação a 2013 houve um aumento de 35%. Em 2015, as consultas somaram R$ 2,9 bilhões no Paraná, das quais R$ 1,75 bilhão avançaram no processo de análise. Ao fim do ano, com mais o estoque de 2014, o banco somou R$ 1,53 bilhão em contratos.

De acordo com Starke Júnior, o desempenho de 2015 também pode ser creditado à postura mais ativa do banco na captura de clientes. Do total de contratações no ano passado, 55,15% vieram de prospecção ativa da agência. Fomos para a rua, estreitamos contato com o setor produtivo.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima