Bronze no Pan, meta do rúgbi do Brasil é medalha olímpica após 2030

MARCEL MERGUIZO, ENVIADO ESPECIAL
TORONTO, CANADÁ (FOLHAPRESS) – A inédita medalha conquistada neste domingo (12) no Pan de Toronto não ilude a seleção brasileira feminina de rúgbi na preparação para a Olimpíada do Rio.
Em 2016, o presidente da Confederação Brasileira de Rugby, Samy Arap, estabeleceu como objetivo ficar entre as seis melhores da competição que terá 12 equipes.
A meta (cumprida) neste Pan era, no mínimo, ficar com o terceiro lugar, atrás do Canadá (campeão) e Estados Unidos (vice), que estão entre as cinco potências mundiais da modalidade.
“Nosso projeto é de longo prazo. Começou em 2010 e é para sermos medalhistas olímpicos após 2030”, afirma Araap, ex-jogador e técnico de rúgbi.
A aposta da entidade é na seleção feminina, que, segundo o presidente, recebe 70% do investimento dedicado ao alto rendimento na modalidade Sevens (olímpica e pan-americana). Os homens ficaram em sexto no Pan.
“Fui crucificado pelo masculino”, diz Araap sobre a decisão tomada no início da sua gestão. “Mas elas têm chance de medalha”, justifica.
O formato empresarial (com CEO, conselho de administração, metas etc.) e a boa relação com empresários fez com que a confederação acumulasse o patrocínio e apoio de um total de 23 empresas. Recursos públicos, via Lei Agnelo/Piva, representam menos de 10% do orçamento anual de quase R$ 20 milhões.
Hoje o Brasil tem uma seleção feminina permanente com 20 atletas, outra de desenvolvimento com mais 20 meninas, um centro de treinamento em São José dos Campos, disputa pelo terceiro ano a World Series e mantém a hegemonia regional com dez títulos sul-americanos seguidos.
“Hoje o rúgbi é nossa profissão. Antes éramos amadoras. E é diferente você estudar, trabalhar e ainda ter que jogar com meninas que treinam de domingo a domingo”, afirma a jogadora Baby.
Para a atleta, o Pan significa metade do caminho para a Rio-2016. 
“Hoje estamos entra as dez melhores do mundo, mas nunca entramos no top-6. É um passo. Precisamos saber onde estamos para ver onde queremos chegar”, analisa.
Atualmente a seleção feminina é dirigida por Chris Neill, da Nova Zelândia, maior potência da modalidade.
“Sou realista, tem seleções na nossa frente que são muito boas. Mas nós vamos brigar na Olimpíada”, diz a capitã do time, Paulinha Ishibashi.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima