Cartola da IAAF ocultou casos de doping na Rússia, diz jornal francês

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O jornal francês “Le Monde” divulgou nesta segunda-feira (21) reportagem na qual afirmou que Nick Davies, cartola da cúpula da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo), sabia de casos acobertados pela entidade em 2013, envolvendo sobretudo atletas russos.

A publicação demonstrou e-mail trocado entre Davis, que é braço direito do atual mandatário da IAAF, Sebastian Coe, e Papa Massata Diack, filho do ex-presidente da associação, Lamine Diack.

Na mensagem, que data de 19 de julho de 2013, pouco antes do Mundial de Moscou, ambos discutem uma maneira de reduzir uma possível repercussão midiática devido aos casos, dos quais ambos estava cientes.

O e-mail consta de uma investigação sobre a IAAF. “Isso deve continuar muito secreto”, escreveu Davies, que foi diretor de comunicações e porta-voz da entidade.

À época, diversos passaportes biológicos de atletas russos apresentavam anormalidades, o que poderia configurar um caso positivo de doping.

“Acredito que esses casos deveriam ter sido revelados faz tempo e que agora devemos ser inteligentes. Esses atletas, está claro, não devem participar da seleção russa. Se os culpados não participarem da competição, poderíamos esperar que o fim do torneio para anunciá-los”, acrescentou.

Uma das sugestões dadas por Davies é utilizar a influência de Coe -que em 2013 era um dos quatro vice-presidentes da IAAF- para aplacar tensões com a mídia britânica, especialmente crítica à entidade.

Davies sugere revelar um ou dois casos positivos de russos em conjunto com atletas de outros países. “Também podemos preparar um dossiê especial do antidoping da IAAF que mostrarão que uma das razões pelas quais esses atletas russos foram flagrados é que eles são muito testados”, disse Davies.

O cartola afirmou na mensagem que faria “de tudo em seu poder para proteger a IAAF e o presidente [Diack]”. O esquema de acobertamento contaria com a ajuda de Gabriel Dollé, então responsável pelo departamento antidoping da associação.

Em resposta ao “Le Monde”, Davies se defendeu e disse que sua atribuição era gerir a imagem e proteger a reputação da IAAF.

A IAAF está envolta em polêmica com acusações envolvendo Diack e Coe, que desde agosto é seu presidente. Em novembro, uma comissão independente constituída pela WADA (Agência Mundial Antidoping) recomendou o banimento da Rússia de todas as competições internacionais de atletismo devido a um profundo sistema nacional de dopagem que tinha anuência do governo.

A IAAF acatou e, provisoriamente, baniu o país. Os russos agora têm de passar por um processo de credenciamento para poderem disputar, por exemplo, os Jogos Olímpicos do Rio.

Além disso, Diack também é investigado pela Justiça francesa por denúncias de corrupção.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima