Cerealista recebe certificação ISO 9001: 2008

A safra 2015/2016 é de conquista para a Lavoura S/A. Com sede em Pato Branco, esta é a primeira safra após a empresa receber a certificação ISO 9001:2008, — uma vez que a auditoria de certificação ocorreu no final de 2015 e foi realizada pela Certificadora TUV SUD, que passa a somar com a já existente do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), — empresa já é certificada desde 2012.

De acordo com o diretor de consultoria, Luis Felipe Sousa Dias Reis, que acompanhou o processo de certificação, o novo selo garantirá aos clientes a qualidade dos produtos com a marca da empresa.

Diário do Sudoeste
Nesta safra, empresa estima beneficiar cerca de 126 mil sacas entre as culturas de soja e trigo

Ele também destaca que a certificação da empresa garantiu a otimização dos processos internos com maior eficiência e eficácia. No entanto, Reis salienta que as práticas de campo também passam a ter um maior acompanhamento, com um maior controle de qualidade de sementes.

Reis comenta ainda que a empresa é a segunda marca paranaense produtora de sementes a obter esta certificação. Em paralelo ao ISO, a empresa buscou o processo de certificação das unidades armazenadoras. Com isso, a unidade de sementes foi certificada pelas diretrizes da Instrução Normativa 29 do Mapa que trata dos requisitos técnicos obrigatórios ou recomendados para a certificação de unidades armazenadoras, explicou Reis, que defende que as práticas no campo devem ser tratadas como as de uma empresa. As propriedades rurais têm que deixar de ser vistas como propriedades e sim como empresas, buscando a eficiência, eficácia e lucratividade.

Segundo a coordenadora de Certificação das unidades da Lavoura S/A, Caroline Chiarello, a empresa que tem capacidade total de armazenamento de 150 mil sacas por safra.

Com estimativa de beneficiamento de 100 mil sacas de soja e 26 mil sacas de trigo nesta safra, Caroline comenta o controle que a empresa passou a operar para atingir as certificações. Com essa certificação da produção própria, atingimos um patamar de ter um sistema de certificação dentro da unidade, afirma ela, lembrando que com o status de certificação própria a empresa tem que enviar mensalmente para o Mapa documentação relatando a produção, os indicadores de beneficiamento. Esse processo comprova que nossas sementes estão dentro dos padrões exigidos, pontua.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima