Cinema latino-americano se destaca em seleção do Festival de Veneza

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O filme do estreante venezuelano Lorenzo Vigas, “Desde Allá”, junto com a argentina “El Clan”, de Pablo Trapero, competirão na seleção oficial da 72ª edição do Festival de Veneza, anunciaram nesta quarta-feira (29) os organizadores. A mostra acontece de 2 a 12 de setembro.
O longa de Vigas, uma obra-prima sobre a relação de um homem de 50 anos com jovens que procura para passar uma noite, é protagonizada pelo chileno Alfredo Castro, que trabalhou com o chileno Pablo Larraín em quatro outras produções, incluindo “No”, filme indicado ao Oscar.
O argentino Trapero, famoso “Mundo Grúa” (1999), concorre ao Leão de Ouro por “El Clan”, inspirada em fatos reais que superam a imaginação de qualquer roteirista.
O longa se baseia na história dos Puccio, uma família formada por um pai e seus filhos que tinham uma loja de artigos náuticos e um bar para poder realizar extorsões, sequestros e assassinatos, em plena ditadura militar nos anos 1980.
Coproduzida pelo espanhol Agustín Almodóvar, irmão de Pedro Almodóvar e seu sócio na produtora El Deseo, a produção trata de um evento histórico emblemático nos anos negros da ditadura argentina.
O cinema latino-americano está presente no Festival de Veneza com nove filmes, documentários e curtas. “O que há de mais mais fresco e inovador no cinema hoje em dia vem da América Latina. Finalmente, além da quantidade, há qualidade. São filmes que surpreendem”, afirmou o crítico Alberto Barbera, diretor do festival.
Além de Vigas e Trapero, foram selecionados para a seção Horizontes, a mostra mais original, “Un Monstruo de Mil Cabezas”, do mexicano Rodrigo Plá, e dois filmes brasileiros: “Bol Neon”, de Gabriel Mascaro, e “Mate-me por favor”, de Anita Rocha da Silveira.
Entre os curtas, figuram “En Defensa Propia”, de Mariana Arriaga (México), “Tarántula”, de Aly Muritiba e Maria Calafange (Brasil) e “55 Pastillas”, de Sebastián Muro (Argentina).
A competição pelo Leão de Ouro está dominada por produções da Itália e dos Estados Unidos, que concorrem com quatro filmes cada um. Um dos concorrentes é “The Danish Girl”, de Tom Hooper, em que Eddie Redmayne vive Lili Elbe, considerada a primeira mulher transexual da história.
“Optamos por um programa mais variado, com filmes experimentais e de autor, mas também com produções hollywoodianas, espetaculares, que o público ama”, reconheceu Barbera.
Veja a lista completa dos concorrentes ao Leão de Ouro, principal prêmio de Veneza:
“Frenzy”, de Emin Alper (Turquia/França/Catar)
“Heart Of A Dog”, de Laurie Anderson (EUA)
“Sangue Del Mio Sangue”, de Marco Bellocchio (Itália/França/Suíça)
“Looking For Grace”, de Sue Brooks (Austrália)
“Equals”, de Drake Doremus (EUA)
“Remember”, de Atom Egoyan (Canadá/Alemanha)
“Beasts Of No Nation”, de Cary Fukunaga (EUA)
“Per Amor Vostro”, de Giuseppe M. Gaudino (Itália/França)
“Marguerite”, de Xavier Giannoli (França/República Tcheca/Bélgica)
“Rabin, The Last Day”, de Amos Gitai (Israel, França)
“A Bigger Splash”, de Luca Guadagnino (Itália/França)
“The Endless River”, de Oliver Hermanus (África do Sul/França)
“The Danish Girl”, de Tom Hooper (EUA)
“Anomalisa”, de Charlie Kaufman e Duke Johnson (EUA)
“L’Attesa”, die Piero Messina (Itália/França)
“11 Minutes”, de Jerzy Skolimowski (Polônia/Irlanda)
“Francofonia”, de Aleksandr Sokurov (França/Alemanha/Holanda)
El Clan, de Pablo Trapero (Argentin/Espanha)
“Desde Allá”, de Lorenzo Vigas (Venezuela/México)
“L’Hermine”, de Christian Vincent (França)
“Behemoth”, de Liang Zhao (China, França)

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima