Colheita do pinhão será permitida somente a partir de 1º de abril

Divulgação IAP

O fim do verão e a queda das temperaturas é um indicativo do início do consumo do pinhão. É nessa época que as araucárias começam a amadurecer as pinhas para a reprodução da espécie. Por isso, o IAP (Instituto Ambiental do Paraná) alerta que a colheita e a comercialização do fruto é permitida no Estado somente a partir de 1º de abril.

As normas e as instruções para a colheita, transporte e comercialização do fruto estão estabelecidas na portaria do IAP nº 046/2015. O objetivo da regulamentação é garantir o consumo sustentável e garantir a reprodução da araucária, árvore ameaçada de extinção e símbolo do Paraná.

É importante respeitar a maturação natural da pinha, pois além de ser nesse período que ocorre a reprodução da araucária, o fruto serve como alimento para diversas espécies da fauna, explica o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto. A portaria do IAP ainda proíbe, independentemente da data, a comercialização das pinhas verdes, quando o pinhão apresenta a cor esbranquiçada e alto teor de umidade. Nesse estado as pinhas podem conter fungos e ser prejudicial à saúde.

De acordo com as normas ambientais, a pessoa que for flagrada vendendo, transportando ou até mesmo armazenando o fruto antes desta data está sujeita a responder um processo administrativo e a processo criminal, com multa de R$ 300 para cada 60 quilos da semente. Já estamos recebendo denúncias nos regionais do IAP e na Polícia Ambiental de situações de comercialização do pinhão. Estamos programando ações de fiscalização para garantir o cumprimento das normas, afirmou o chefe do Departamento de Fiscalização do IAP, Ivo Good.

Pinheiros

Além do fruto, também está proibido o abate dos pinheiros nativos adultos portadores de pinhas nos meses de abril, maio e junho. Estão excluídos dessa proibição apenas os pinheiros autorizados por motivo de riscos pessoais ou materiais, de interesse social ou utilidade pública, para construções em áreas urbanas consolidadas e árvores oriundas de reflorestamento.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima