Equipes buscam melhora na Hungria para se aproximarem da Mercedes

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O roteiro tem sido praticamente o mesmo desde o início do Mundial de F-1, em março, na Austrália. Mercedes na pole position no sábado e vitória no domingo. A única exceção após nove etapas disputadas aconteceu no GP da Malásia, quando Sebastian Vettel triunfou com a Ferrari.
Justamente por isso, a cada final de semana de corrida as adversárias colocam atualizações em seus carros na tentativa de colocar fim ao domínio da atual campeã mundial.
Neste final de semana, na Hungria, porém, os times têm uma motivação a mais. Às vésperas das férias de verão da categoria, que vão até o final de agosto, as equipes buscam um bom desempenho para iniciar a segunda metade do Mundial com potencial de lutar com a Mercedes por poles e vitórias.
Isso porque, por conta da logística da parte final do campeonato, a possibilidade de novidades nos carros começa a diminuir e muitos dos times passam a se focar no Mundial do ano seguinte.
Das nove corridas que faltam para o fim da temporada, apenas as próximas duas serão disputadas na Europa: Bélgica e Itália. Todas as demais envolvem grandes deslocamentos e dificultam a introdução de novas partes nos carros, especialmente para os times com orçamento mais restrito.
Para servir como comparação, das dez primeiras provas do Mundial, cinco foram em solo europeu.
“De todas as pistas acho que a de Hungaroring tem mais potencial que as outras para favorecer o ‘resto do grid’ porque é uma pista curta”, explicou Vettel em Budapeste, onde neste sábado (25), a partir das 9h (de Brasília), disputa o treino que define o grid de largada do GP da Hungria.
“Ainda assim, para que a gente consiga atacar a Mercedes de igual para igual temos que ter um final de semana perfeito e ser capazes de extrair todo o potencial de nosso carro”, completou o ferrarista.
Apesar de ter sido a equipe que mais perto chegou da campeã mundial neste ano, tendo conquistado, além da vitória, outros seis pódios, a Ferrari viu a Williams crescer nas últimas duas corridas.
Desde a Áustria com um novo pacote de novidades em seu carro, o time inglês chegou a ver Felipe Massa e Valtteri Bottas duelaram pela liderança do GP da Inglaterra por mais de um terço da corrida -no fim, Lewis Hamilton venceu, com Nico Rosberg em segundo.
“Acho que evoluímos bastante nas últimas corridas, mas para sermos capazes de brigar com a Mercedes nas corridas temos que nos focar nas classificações. Já vimos que neste ano está ainda mais difícil ganhar deles aos domingos, mas acredito no potencial da Williams”, declarou Bottas.
NA TV – Treinos de classificação para o GP da Hungria
9h (de Brasília) – Globo

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima