Fifa faz ensaio para evitar gafe em sorteio

Por Bernardo Itri, Marcel Rizzo e Sérgio Rangel, Enviados especiais

COSTA DO SAUIPE, BA, 4 de dezembro (Folhapress) – A Fifa preparou um esquema especial contra gafes para o sorteio dos grupos da Copa do Mundo, nesta sexta-feira (14h de Brasília), na Costa do Sauipe, litoral norte da Bahia.

A entidade quer evitar que se repita o que aconteceu no ano passado, na definição das chaves da Copa das Confederações, quando um erro cometido pelo chef Alex Atala, convidado para o sorteio, fez com que cidades-sedes reclamassem que perderam jogos mais interessantes.

Desta vez, os convidados para serem os auxiliares do secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, no sorteio serão ex-jogadores de cada uma das oito seleções que já levantaram a taça.

Haverá um ensaio amanhã para que não haja erro no momento de se tirar as bolinhas dos potes. Mesmo assim, a Fifa vai escalar pessoas para ficarem próximas dos ex-jogadores quando forem chamados para retirarem as bolinhas e orientá-los a colocar a mão no pote certo.

O erro de Atala em 2012 foi ter tirado uma bolinha de um pote equivocado. Em vez de tirar do pote que continha a posição do Uruguai no Grupo B, ele tirou do pote A, chave que o Uruguai não poderia estar porque o Brasil, membro da mesma Confederação que o Uruguai, já era o cabeça de chave.

A confusão fez com que Belo Horizonte, uma das cidades sedes, ficasse com jogos menos importantes na primeira fase, porque fez com que Taiti e Japão caíssem com partidas na cidade com a bolinha errada, e a posição no grupo errada, sorteada por Atala.

A Fifa tem preocupação, por exemplo, com o jogador uruguaio Ghiggia, que tem 86 anos. O carrasco do Brasil na Copa de 1950 vai tirar a bolinha de um dos grupos, provavelmente o que tiver o Uruguai como cabeça de chave. Mas terá orientadores por perto.

Além dele, estarão retirando as bolinhas Cafu (Brasil), Kempes (Argentina), Matthaus (Alemanha), Hierro (Espanha), Zidane (França), Hurst (Inglaterra) e Cannavaro (Itália) Casa um deve sortear um dos oito grupos.

“Temos que ensinar e ensaiar. Não há outra solução [contra erros]”, disse David Ausseil, diretor do departamento de vídeos da Fifa.

Outra mudança que a Fifa adotou, e que a Folha de S.Paulo mostrou em sua edição desta quarta-feira, é o de mudar o procedimento do sorteio.

O momento de definir a posição dos times nos grupos, que decide a ordem dos jogos, será o último ato do sorteio, e não mais logo após a seleção ser sorteada para seu grupo.

Portanto, o erro de Atala, de sortear a posição errada da seleção, não poderá mais acontecer. O Brasil, que será o A1, só saberá contra qual seleção vai estrear, a A2, ao final do sorteio.
 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima