Governo do Estado tira 26 mil cidadãos da fila por cirurgias eletivas

Nos primeiros quatro meses do Mutirão Paranaense de Cirurgias Eletivas, foram feitos 26.337 procedimentos cirúrgicos com recursos do Governo do Estado. A intenção é ampliar em 50% o número de cirurgias realizadas em um ano.

Nossa projeção inicial estimava 30 mil cirurgias no período de um ano. Em menos de um semestre já quase batemos essa meta. Agora a estimativa aumentou: queremos que o número de procedimentos chegue a 45 mil até setembro, ressalta o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

Divulgação
Thalyta Cristyne Costa Silva foi beneficiada por uma cirurgia de hérnia

Além do número de procedimentos, o volume de recursos de R$ 33 milhões, previsto inicialmente para o programa, também será ampliado. O Mutirão dispõe agora de cerca de R$ 50 milhões para reduzir ao máximo as filas de espera por cirurgias de média complexidade – que não são de urgência, mas que melhoraram a qualidade de vida dos pacientes.

A prioridade é acelerar o atendimento em cirurgias de otorrinolaringologia, ortopédicas, vasculares (varizes), ginecológicas e gerais (vesícula e hérnia) e zerar a fila para cirurgia de catarata. Os procedimentos são feitos em hospitais de referência por todo o Estado.

Articulamos com serviços de saúde para que o Mutirão pudesse acontecer em todo o Paraná. Dessa maneira, conseguimos reduzir, além do tempo de espera, a desigualdade regional na realização de procedimentos cirúrgicos e facilitar a vida do cidadão paranaense, explica o superintendente de Gestão de Sistemas de Saúde, Paulo Almeida.

Diversas clínicas e hospitais prestadores de serviços para o Sistema Único de Saúde (SUS) firmaram convênios com a Secretaria de Estado da Saúde para fazer parte do Mutirão. O programa atende pacientes dos 399 municípios do Paraná.

Beneficiados no Sudoeste

Irineu Delfino Pereira é um trabalhador rural aposentado de Marmeleiro, no Sudoeste do Paraná. Ele sentia muitas dores na barriga. Procurou um médico e em pouco tempo passou por uma cirurgia de vesícula em Francisco Beltrão. Minha vida mudou. Estou recuperado e não sinto mais dor nenhuma, comemora.

Um dos principais objetivos do Mutirão Paranaense de Cirurgias Eletivas é zerar a fila de espera por cirurgias de catarata no Estado. De agosto a dezembro do ano passado, foram feitos 20.893 procedimentos dessa especialidade, com a aplicação de R$ 7.5 milhões em recursos do programa.

Severino Szepanhuk já não conseguia mais ler e resolveu procurar um médico. Morador de Cruzeiro do Iguaçu, o aposentado fez a cirurgia de catarata de um olho em uma clínica de Dois Vizinhos e a outra em Francisco Beltrão.

Após a cirurgia, a vida de Severino melhorou. Foi um alívio. Agora estou enxergando perfeitamente e voltei a fazer minhas leituras diárias, conta.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima