Medalhista olímpica, atriz e fã de ‘Pokemón’, Ronda foi pioneira no UFC

GUILHERME SETO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Atual campeã dos pesos-galos femininos do UFC, a americana Ronda Rousey nunca perdeu uma luta de MMA (artes marciais mistas) em quatro anos de trajetória na modalidade e chega à luta com a brasileira Bethe Correia como favorita. O confronto está marcado para este sábado (1º), na HSBC Arena, no Rio.
Diferentemente da adversária, que se iniciou em sua primeira arte marcial (kung fu) em 2011, Ronda aprendeu a lutar em casa. A mãe dela, AnnMaria De Mars, foi a primeira americana a se tornar campeã mundial de judô em 1984.
Ronda fez carreira no judô e conquistou marcas importantes na modalidade. Ela foi a primeira judoca americana a ganhar uma medalha olímpica, em 2008, com bronze nos Jogos de Pequim.
Um ano antes, ela começou uma relação especial com o Rio de Janeiro. Na cidade, ela conseguiu uma medalha de prata no Mundial e uma de ouro nos Jogos Pan-Americanos. Em entrevistas, ela lembra da torcida com carinho.
“Nas semifinais do Mundial, em 2007, eu estava enfrentando a atleta que era campeã, e ela tinha dois metros de altura. Ela deslocou meu braço, e eu tive que colocá-lo no lugar. Estava perdendo, faltavam 20 segundos para o fim e a derrubei com o braço que havia acabado de colocar no lugar. Todo mundo explodiu e torceu por mim, porque não importava que eu não era brasileira. Eu amo o público brasileiro”, disse em entrevista em janeiro.
Em sua biografia, Ronda conta que encarou o bronze olímpico como uma decepção, o que a fez deixar o judô de lado e começar a abusar de maconha e analgésicos.
Nessa época, ela conta que vivia em festas e chegou a morar em seu próprio carro. Quando encontrou um minúsculo apartamento para morar, ela conta que um problema crônico nos encanamentos inundava frequentemente o local.
“Eu chegava em casa para encontrar um apartamento cheio de m…”, escreve Ronda em “Minha luta, sua luta”.
Em 2010, ela iniciou sua carreira no MMA, onde reencontrou sua melhor forma. Ela disputou 11 lutas da modalidade e venceu todas, nove delas após chaves de braço -movimento que ela aprendeu com sua mãe e aperfeiçoou ao longo dos anos.
Em 2012, ela se tornou a primeira lutadora a assinar contrato com o UFC. Dana White, presidente do UFC, que havia declarado anteriormente que não organizaria lutas femininas, disse que mudou de ideia após conhecer Ronda.
“Precisou haver uma Ronda Rousey para que as mulheres entrassem no UFC”, afirmou em 2013.
HOLLYWOOD E POKÉMON
No ano passado, Ronda aventurou-se no cinema, tendo feito sua estreia em “Os Mercenários 3” ao lado de astros como Sylvester Stallone e Arnold Schwarzenegger. Em 2015, ela apareceu nos filmes “Velozes e Furiosos 7” e “Entourage”.
A lutadora também revela gosto por animes (desenhos animados japoneses).
Em entrevistas, ela já mencionou repetidas vezes sua obsessão pelo anime Pokémon, sobre um mundo de criaturas com poderes especiais que são capturadas por pessoas para promover batalhas.
“Eu fui imediatamente conquistada [pelo jogo para Game Boy]. Perdi muito peso e era uma criança. Eu não queria parar de jogar. Eu tenho cada uma das versões de todas as gerações do jogo”, disse ao site “MMA Fighting”.
Em uma pesagem e outros eventos públicos, Ronda também apareceu com agasalhos e camisetas que faziam referência a Dragon Ball Z, outro anime japonês.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima