Menos paranaenses endividados

O percentual de famílias paranaenses que relataram ter dívidas no cheque pré-datado, cartão de crédito, cheque especial, carnê de loja, empréstimo pessoal, prestação de carro ou seguros alcançou 87% em julho, o que representa redução ante os 88,8% observados em junho, como também em relação aos 89,7% em julho de 2014. Porém, na comparação com o índice nacional, que ficou em 61,9% neste mês, o Paraná permanece como um dos estados com maior número de endividados. Os dados são do levantamento feito mensalmente pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR).

A queda na intenção de consumo verificada no Estado nos últimos meses tem motivado os consumidores a planejar melhor as compras, o que resulta na diminuição do percentual de endividados com contas em atraso, que passaram de 27,1% em junho para 24,3% em julho. Na comparação com julho de 2014, quando o índice de inadimplentes era de 25%, também houve redução.

O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso e que, portanto, estariam inadimplentes, permaneceu na casa dos 9,2% já registrados em junho, mas aumentou ante os 7,7% em julho de 2014.

Nível de endividamento

Dentre as famílias endividadas, 23,3% se classificam como muito endividadas. O nível de endividamento é mais elevado (27,5%) entre as famílias com renda superior a dez salários mínimos. Entre as classes C, D e E, 22,4% consideram estar muito endividadas.

Tipos de dívida

O cartão de crédito é o principal tipo de dívida dos paranaenses, com 68,4% das respostas. Na sequência estão o financiamento imobiliário (10,6%), o financiamento de veículo (9,4%), os carnês (5,3%), o crédito pessoal (3%), o crédito consignado (1,5%), o cheque especial (0,6%) e o pré-datado (0,6%).

Tempo e percentual das dívidas

Entre os entrevistados, 46,1% das famílias com contas em atraso estão com parcelas atrasadas há mais de 90 dias, e por isso são consideradas inadimplentes. O tempo médio de comprometimento com as dívidas é de 7,2 meses em julho. Já o percentual médio da renda dessas famílias comprometida com dívidas é de 32 %, sendo que 18,4% dos consumidores têm mais de 50% dos rendimentos vinculados a gastos efetuados.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima