Novo técnico tem apelido de Pato e histórico de reformulações

ADRIANO MANEO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A depender do histórico, o torcedor são-paulino tem motivos para acreditar que Edgardo Bauza, 57, o novo técnico da equipe do Morumbi, poderá conduzir a reformulação prometida para 2016 pelo presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

Quando chegou ao Equador, em 2006, para comandar a LDU, o time estava num momento de transição parecido com o que o São Paulo vive atualmente. Com a saída de jogadores identificados com o clube, Bauza demorou para encaixar a equipe.

Naquele ano, pressionado pela torcida após derrota no campeonato nacional, o técnico chegou a sair escoltado do estádio Casa Blanca, da LDU, em Quito. Em 2008, entretanto, ele seria campeão da Libertadores, levando o título pela primeira vez para o país.

A conquista foi fruto de uma reformulação na equipe promovida pelo treinador entre 2007 e 2008. Bauza trouxe nomes que havia conhecido no Peru e na Argentina e apostou em jogadores que estavam em baixa no cenário nacional para montar a base de um time que surpreendeu todo o continente.

No São Paulo, Bauza deve ter a chance de indicar nomes para o elenco de 2016. Leco já afirmou que aguarda sugestões do treinador, que tem contrato de um ano de duração.

Em entrevista à “Rádio Mitre”, neste domingo (20), Bauza afirmou que gostaria de contar com Lugano, zagueiro que é ídolo da torcida são-paulina. Atualmente, o uruguaio é jogador do Cerro Porteño, do Paraguai.

O treinador citou outros nomes estrangeiros que gostaria de contratar para o São Paulo. O mais desejado pelo treinador é Ortigoza, 28, volante argentino naturalizado paraguaio, jogador do San Lorenzo, equipe que Bauza comandava até vir para o Morumbi.

Também do San Lorenzo, o zagueiro Caruzzo, 31, e o lateral-direito, Buffarini, 27, interessam ao treinador, que disse não confiar no futebol de Bruno.

Para o ataque, Bauza citou Marco Rubén, 29, atacante do Dynamo Kiev, emprestado ao Rosario Central e artilheiro do Campeonato Argentino deste ano, com 21 gols.

CURRÍCULO

Com chuteiras número 45, Bauza é conhecido como “El Patón”, uma referência ao seu físico desengonçado e o tamanho do pé. Sua trajetória no futebol começou no Rosario Central, clube com o qual tem forte identificação.

Foi onde começou nas categorias de base, onde estreou como profissional e onde se aposentou. Dos quatro títulos nacionais do clube, Bauza esteve em dois.

Foi um zagueiro goleador, com 108 gols na carreira. Na seleção argentina jogou apenas dois jogos, mas fez parte do elenco vice-campeão mundial, em 1990, ao lado de Maradona.

Estreou como técnico também no Rosario Central, em 1998. Nas últimas duas temporadas, dirigiu o San Lorenzo, da Argentina, e levou o time ao título inédito da Libertadores, em 2014.

Neste ano, classificou a equipe para a competição continental, após garantir o vice-campeonato do Argentino, com a melhor defesa (20 gols em 30 jogos), o melhor saldo e três pontos atrás do campeão Boca Juniors.

Pela LDU, foram quatro títulos, sendo uma Libertadores, em 2008.

ESTILO

O técnico argentino é conhecido por ter um estilo mais defensivo. Para muitos, Bauza é um técnico conservador.

“Às vezes, ele faz partidas apelando para o resultado, sobretudo em torneios internacionais. Ele garante resultados, não é um técnico que varia ou arrisca muito”, disse o radialista equatoriano Christian Racines.

O equatoriano explica que, na maioria das vezes, Bauza joga num 4-2-3-1.

“Ele é muito seguro defensivamente, comedido no meio-campo, e sempre joga com um meia de ligação e uma referência na área”, diz.

Leandro Alves, jornalista da “Rádio Mitre” e da “Deportv”, da Argentina, diz que pelo que viu no San Lorenzo, as palavras para definir Bauza são “praticidade” e “simplicidade”.

“Bauza arma as equipes para jogar de maneira muito ordenada”, declarou. “Se os jogadores captarem a mensagem rápido, não terão problema algum, porque [Bauza] é um técnico muito simples, muito dócil e convence rápido os atletas”, disse.

O argentino também destacou que Bauza “prefere trabalhar com jogadores experientes” em vez de garotos.

O treinador se apresenta no São Paulo nesta quarta (23), mas só estreia em 31 de janeiro de 2016, quando o time enfrenta o Red Bull pelo Paulista. Bauza terá quase um mês para conhecer os jogadores na pré-temporada. A reapresentação está marcada para o dia 6 de janeiro.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima