O Estado Islâmico é um culto de morte, diz Bono Vox, que volta a Paris

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – No próximo domingo (6), a banda irlandesa U2 fará o primeiro de dois shows em Paris, cancelados no mês passado após os ataques terroristas que mataram 130 pessoas na capital francesa.

Ao “The New York Times”, o guitarrista Edge falou sobre a tragédia. “Algumas das nossas canções da década de 80 sobre os eventos na Irlanda subitamente ganharam um novo significado e uma conexão a esses terríveis acontecimentos em Paris.”

O vocalista Bono Vox contou ter oferecido seu avião à banda Eagles of Death Metal após os ataques à casa de shows Bataclan, onde se apresentavam. O grupo não precisou da ajuda, mas recebeu novos celulares de presente do músicos após perderem os seus no atentado.

“Jesse [Hughes, vocalista] me narrou cada momento. Eles precisam de aconselhamento real, apesar disso, não de um astro do rock irlandês bem intencionado. Estresse pós-traumático é um problema real para as pessoas que passam por essas coisas. Eles ficarão bem, mas foi horrível”, disse.

Quando os atentados começaram, o U2 se apresentava na arena AccorHotels, em Paris, de onde foram evacuados. O grupo prestou homenagem às vítimas dos ataques ao visitar o Bataclan.

“Terrorismo depende das pessoas terem medo, e nós não teremos”, declarou a respeito dos shows remarcados. “Nós acreditamos que a maior contribuição que podemos fazer em um momento como esse é honrar as pessoas de Paris, que nos trouxeram o conceito de liberdade, igualdade e fraternidade.”

Bono ainda foi mais longe em sua crítica ao terrorismo:

“O Estado Islâmico e esses extremistas são um culto de morte. Nós somos um culto de vida. Rock ‘n’ roll é uma força vital, uma alegria e um ato de provocação. Isso é o que o U2 é, o coração da nossa banda e da nossa audiência.”

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima