Ouro no polo, brasileiro-americano revela mágoa por ‘convite atrasado’

ITALO NOGUEIRA, ENVIADO ESPECIAL
TORONTO, CANADÁ (FOLHAPRESS) – Repleto de estrangeiros naturalizados, o polo aquático brasileiro perdeu a chance de ter um quinto reforço nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. O norte-americano Tony Azevedo, 33, que nasceu no Brasil, afirmou que o convite para aderir à equipe do país foi atrasado.
Em entrevista após conquistar o ouro justamente sobre o Brasil, ele revelou mágoa pelo fato de ter sido convidado após a contratação de três estrangeiros. No Brasil desde setembro de 2013, quando foi contratado pelo Sesi/SP, ele disse que só foi convidado após a chegada do espanhol Felipe Perrone, também brasileiro, do croata Josip Vrlic e do sérvio Slobodan Soro.
“Eu recebi, mas depois dos três gringos que já estavam lá… Cheguei no Brasil para jogar na liga e ajudar o polo aquático em geral. Depois que convidou todo mundo eles quiseram falar comigo. Naquele ponto não tinha mais o que falar”, disse Azevedo.
Além de jogar pelo Sesi, onde foi campeão da Liga Nacional no ano passado, ele participa de oficinas para jovens. O objetivo é estimular a prática no esporte no país.
Filho do brasileiro Ricardo Azevedo, também jogador de polo, Tony foi criado nos Estados Unidos, mas mora há quase dois anos em São Paulo, na Vila Madalena. Ele afirmou que não vai trocar os Estados Unidos pelo Brasil.
“Eu sou americano. Eu amo Brasil, tenho família no Brasil. Mas no polo aquático eu sou americano 100%. Quero ganhar de todo mundo”, disse ele.
Azevedo criticou a contratação de atletas estrangeiros sem relação com o Brasil. Ele afirmou que é positivo para os atletas brasileiros a chegada de reforços, mas disse que não vê com bons olhos a participação dos “gringos” na Olimpíada.
“Espero que o polo aquático continue bem depois da Olimpíada. Para os jogadores brasileiros eu acho legal. Eles têm chances de disputar uma Olimpíada e depois voltar. Em geral eu acho que nas Olimpíadas não é legal pagar outros jogadores de outros países. É Olimpíada…”.
Dos 13 relacionados para o Pan, quatro são estrangeiros -cubano, croata, espanhol e italiano. A babel surgiu da ânsia de se montar um time competitivo para a Rio-2016.
A CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) investiu mais de R$ 2,5 milhões na modalidade, sem tradição nacional, para a Olimpíada. Há quatro edições dos Jogos o Brasil não disputa o esporte.
Tido como um dos melhores do mundo, Felipe Perrone -brasileiro naturalizado espanhol- foi convidado a voltar a defender o país com salário de R$ 20 mil/mês.
Já classificada para a Rio-2016, a equipe com os “gringos” obteve em junho o melhor resultado de sua história: foi bronze na Liga Mundial, na Itália, e venceu potências como EUA e Croácia. Por trás do projeto está outro gringo. O croata Ratko Rudic, 67, tem quatro medalhas olímpicas de ouro e fama de ser um general.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima