Palmeiras supre carências no mercado e cria concorrência interna ferrenha

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – Em 2015, o Palmeiras trouxe nada menos do que 25 reforços. Mesmo assim, lesões e oscilação no desempenho dos jogadores atrapalharam muito os planos do técnico Marcelo Oliveira: no meio de campo, por exemplo, o treinador precisou lançar no meio da temporada o jovem Matheus Sales, das categorias de base.

Para a próxima temporada, a equipe, mais uma vez, se mostra o mais agressivo dos grandes de São Paulo no mercado, trazendo nomes para suprir as carências e fortalecer o elenco que disputará a Libertadores. Bom para Marcelo, não tão bom para os jogadores: a competição promete ser duríssima.

VOLANTES

Foi entre os volantes que o Palmeiras enfrentou os maiores problemas no ano: ao longo da temporada, perdeu para lesões os titulares Gabriel e Arouca. Os reservas Andrei Girotto e Amaral não conseguiram se firmar, e o clube foi ao mercado e trouxe Thiago Santos. Além do reforço, o jovem Matheus Sales foi promovido aos profissionais e acabou ganhando uma vaga entre os titulares.

Para 2016, o time terá os titulares recuperados; além disso, Matheus Sales e Thiago Santos continuam no elenco; não satisfeito, o clube já trouxe Rodrigo, do Goiás, e está próximo de um acerto com Jean, do Fluminense. São seis jogadores, todos vindo de um bom desempenho;

ATAQUE

O ataque palmeirense já era “superpovoado” em 2015, mas, mesmo assim, o clube investiu quase R$ 14 milhões para tirar Erik do Goiás. Com preço de grande contratação, o atacante terá dificuldades para encontrar uma vaga no time. O titular Dudu é absoluto e foi o principal jogador ofensivo na temporada. Lucas Barrios é outra contratação milionária que dificilmente começa o ano entre os reservas; Gabriel Jesus é xodó da torcida e principal revelação do time.

Além dos três, o Palmeiras ainda conta com Cristaldo, Alecsandro e Mouche. Rafael Marques, vice artilheiro do time no ano, pertence ao Henan Jianye, da China, e agora é alvo de negociação para mantê-lo. A disputa será enorme para qualquer um que pleiteie uma vaga no trio ofensivo de Marcelo Oliveira.

ARMADOR

Com a saída de Valdivia, Cleiton Xavier era a principal aposta para a meia ofensiva, mas sofreu com lesões e participou de apenas 17 jogos. Ao longo do ano, Robinho e Zé Roberto atuaram no setor.

Para 2016, os três permanecem no elenco, mas terão a companhia dos reforços Regis, ex-Sport, e Moisés, ex-Rijeka. Allione pode sair, mas por enquanto ainda está à disposição de Marcelo Oliveira, assim como Fellype Gabriel. São seis opções, em um esquema que, em 2015, usou apenas um armador.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima