Patrocinadores não têm obrigação de contratar reforços, diz Paulo Nobre

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – Em entrevista publicada neste sábado pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, evitou polemizar a respeito da relação do clube com Crefisa e FAM, principais patrocinadoras do clube. O dirigente adotou um discurso conciliador, e tirou das parceiras a obrigação pela contratação de reforços para 2016.

Ao longo de 2015, incidentes entre os dois lados promoveram um desgaste da relação ?no principal deles, em novembro, a Crefisa se irritou com os planos da adidas de lançar uma camisa comemorativa com a marca da Parmalat, patrocinadora máster do clube na década de 90, e ameaçou até rescindir o contrato.

No entanto, segundo Paulo Nobre, a questão está sob controle. “A relação patrocinador-patrocinado cabe só às duas partes. Estou muito satisfeito e agradecido a todos os patrocinadores. Sem eles, dificilmente a gente teria chegado onde chegamos”, afirmou o presidente palmeirense.

A Crefisa e a FAM tiveram participação decisiva na contratação do paraguaio Lucas Barrios, camisa 10 da equipe, e não descartam a contratação de novos reforços para o time de Marcelo Oliveira. No entanto, Paulo Nobre adota um discurso mais cauteloso e pede calma.

“Eles pagam pontualmente um patrocínio maravilhoso. Não é porque eles têm muito dinheiro que têm a obrigação de investir no clube. Daqui a pouco, é capaz de torcedor cobrar eles por isso”, disse Nobre, que quer priorizar os reforços contratados pelo próprio clube. “Enquanto o Palmeiras conseguir caminhar com as próprias pernas, não é justo pedir ajuda para o patrocinador”, completou.

O dirigente ainda se mostrou confiante com a situação financeira do Palmeiras, e assegurou que o clube “equacionou todas suas dívidas de curto prazo”. Embora não esteja “nadando em dinheiro”, o time conseguiu, nas palavra de Nobre, “andar com as próprias pernas”.

TV

Na entrevista, Paulo Nobre ainda evitou entrar em polêmicas também a respeito da relação do Palmeiras com a Rede Globo. No entanto, o dirigente admitiu que espera uma divisão mais justa de cotas de TV, além de pedir a exibição de mais partidas de sua equipe em 2016.

“Temos uma discussão de mudar o critério de classificação (de cotas), sendo que uma parte do pagamento é pelo tamanho da torcida e número de venda do pay-per-view; outra é pela classificação no Brasileiro; e uma terceira é um valor igualitário. Os clubes maiores têm que abrir mão e pensar que, se matar os pequenos, a gente mata o celeiro do futebol brasileiro”, disse Nobre, que foi além.

“Conversas existem constantemente, e a gente pede para passar mais jogos na TV, mas para isso acontecer, o Palmeiras precisa ter mais interesse do grande público. A maior audiência de futebol em 2015 foi a final Palmeiras x Santos, na Copa do Brasil. Isso pode ser reflexo para o ano que vem. Vamos esperar”, completou.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima