Geral

Professores e funcionários da educação decidem que não retornarão com aulas presenciais em 2020

Assessoria

Em assembleia online da APP-Sindicato, noe sábado (12), professores e funcionários de escola da rede estadual e das redes de 209 municípios do Paraná aprovaram a realização de “greve em defesa da vida”, contra a retomada das aulas presenciais durante a pandemia do novo coronavírus.

O presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão, explica que a paralisação será desencadeada caso o governo decida pelo retorno das aulas nas escolas em 2020. “A categoria está mobilizada e não aceitará qualquer imposição que coloque em risco à vida tanto dos estudantes e seus familiares, quanto dos profissionais que trabalham nas escolas”, disse.

Os(as) educadores(as) também deliberaram ações relacionadas com as condições de trabalho e ataques aos direitos dos(as) servidores(as) públicos(as). “Aprovamos um calendário de mobilizações para reforçar nossa resistência, especialmente neste momento complexo em que os governos têm promovido uma política de precarização da educação pública e de retirada de direitos da nossa categoria”, relatou a secretária de Finanças da APP-Sindicato, professora Walkiria Olegário Mazeto.

Assembleia online

É a primeira vez que a APP-Sindicato realiza uma assembleia através da internet. A direção estadual do Sindicato deliberou pela organização da atividade desta forma para assegurar a participação de todos(as) com segurança, considerando as normas de prevenção contra a Covid-19, que impedem a aglomeração de pessoas.

“Realizar a assembleia de forma online foi um grande desafio, por conta da situação que estamos vivendo, sem poder fazer aglomerações. Apesar disso, assim como todas as lutas que enfrentamos, conseguimos organizar essa atividade com muito sucesso, garantindo a participação de toda a categoria no processo de construção e decisão da luta coletiva”, avaliou a secretária Geral da APP-Sindicato, professora Vanda do Pilar Santana.

Mais de 2,7 mil profissionais que trabalham na educação pública do Paraná se cadastraram para participar da atividade. Os debates e as votações aconteceram através da plataforma de videoconferência Zoom.

Apenas os(as) integrantes da mesa de trabalho, dois(duas) tradutores(as) de libras e uma equipe técnica reduzida se reuniram de forma presencial na sede do Sindicato, em Curitiba, cumprindo regras de distanciamento social, uso de máscara de proteção facial e higienização com álcool em gel.

A assembleia teve início no sábado (5), mas precisou ser suspensa devido a problemas técnicos com a transmissão de vídeo pela internet. A decisão teve o objetivo de permitir ajustes técnicos para garantir a participação de todos(as) os educadores(as).

Outras deliberações

Aprovada a indicação dos nomes de Osvaldo Alves de Araújo e Tereza de Fátima dos Santos Rodrigues Lemos, como titulares titulares, e de Cláudia Gruber e Ralph Charles Wendpap, como suplentes, para representar a APP-Sindicato junto ao Conselho do Magistério.

Referendada a suspensão da assembleia ordinária da APP-Sindicato, conforme consta no Estatuto da Entidade, devido à pandemia do novo coronavírus e ao isolamento social decretado pelo governo estadual.

Aprovada carta pública para CUT e CNTE para realização de uma plenária nacional destinada a construção de uma greve nacional contra a destruição do serviço público pela proposta de reforma administrativa.

Aprovada moção em defesa da educação pública e das liberdades democráticas, em apoio à comunidade escolar da Escola Básica Luiz Candido da Luz, em Florianópolis. a moção é voltada para autoridades de santa Catarina, exigindo a defesa da escola, do seu processo pedagógico e contra qualquer punição aos profissionais daquela instituição.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima