Programa destaca boa gestão financeira das escolas estaduais

Em 2015, o Governo do Paraná repassou R$ 73,8 milhões do Programa Fundo Rotativo para as escolas estaduais. Foram enviadas dez parcelas da cota normal para consumo, quatro da cota de serviço e mais duas cotas extras. Com esses recursos, as unidades de ensino puderam deixar a manutenção em dia, comprar itens de consumo e investir em melhorias na infraestrutura que resultam diretamente na qualidade de ensino.

O alto volume de investimentos que fizemos demonstra como a Educação é prioridade do nosso governo. Os recursos bem aplicados pelas escolas refletem em melhores condições para os nossos mais de 1 milhão de alunos, afirma o governador Beto Richa.

Neste ano as boas administrações financeiras foram reconhecidas e premiadas pela Secretaria de Estado da Educação. O Prêmio Gestão CAF destacou as três melhores escolas, ou seja, as que melhor administram os recursos públicos que recebem, nos Núcleos Regionais de Educação de Umuarama, Paranavaí, Maringá, União da Vitória e Ivaiporã.

Em 2016 outros dez Núcleos serão selecionados e até 2018 todas as regiões terão suas escolas premiadas. A previsão é que no final de 2018 seja realizado o Prêmio Gestão CAF Estadual, que escolherá a melhor escola do Paraná em termos de gestão financeira.

Gestão participativa

No Colégio Estadual do Campo de Boa Vista da Santa Cruz, em Rosário do Ivaí (Vale do Ivaí), a gestão financeira é feita de forma democrática, ouvindo todos os segmentos da escola e a comunidade. Quando vem o recurso é feita a reunião para definir os planos de aplicação, na sequência já é feita a ata da reunião e depois vamos correr atrás dos orçamentos, pra fazer a consolidação das pesquisas de preço. Somente após isso é que vai ser executado o recurso, explicou o diretor Fábio Pereira da Silva.

O colégio foi o segundo colocado no Prêmio Gestão CAF do Núcleo de Educação de Ivaiporã. Além das reuniões, o diretor sempre passa nas salas de aula para ouvir os estudantes, para saber deles onde a escola precisa melhorar.

Se a gente não souber aplicar os recursos que chegam não vai ter um retorno pedagógico. Mas planejamento dos gastos e investimento corretos refletem diretamente na qualidade do ensino. Uma estrutura boa deixa um ambiente melhor para o aluno aprender, definiu o diretor Fábio.

Escolas que fazem uma boa aplicação dos recursos públicos, tanto federais quanto estaduais, conseguem se desenvolver e avançar também nos aspectos pedagógicos. Uma gestão transparente e democrática, que ouve a comunidade escolar, só traz benefícios para as unidades escolares, afirma a secretária da Educação, professora Ana Seres.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima