Um ano depois, herói da Copa enfrenta problemas no Bayern de Munique

RAFAEL REIS
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – “Mostre ao mundo que você é melhor que Messi”. Foram essas as palavras ditas pelo técnico da Alemanha a Mario Götze, 23, pouco antes de colocá-lo em campo para decidir a final da Copa do Mundo-2014, contra a Argentina.
Mas um ano depois do maior momento de sua carreira, o autor do único gol da decisão no Maracanã não só está longe do desempenho do craque argentino, como também está em pé de guerra com o Bayern de Munique.
A primeira temporada do meia-atacante após se tornar o herói do tetracampeonato mundial germânico não teve nada de extraordinária.
Götze fez apenas 15 gols pelo Bayern de Munique, o equivalente a apenas 26% dos 58 tentos anotados por Messi, aquele a quem Löw disse que ele era superior, pelo Barcelona.
A comparação dos números de assistências tem uma proporção semelhantes. O alemão deu sete passes para o gol para seu clube nos últimos 12 meses. O astro argentino, 31.
O clima do meia-atacante em Munique também não anda nada mal. Há cerca de uma semana, seu empresário, Volker Strut, atacou o técnico Pep Guardiola em entrevista ao “Bild”.
“O Guardiola destruiu o Götze, que não sente a confiança no treinador. Pep afirma que gostaria de ver um Götze decisivo, mas não o coloca em campo. É impossível que ninguém no Bayern note isso”, disse o agente.
Por outro lado, o jogador sofreu pesadas críticas de Franz Beckenbauer, maior nome da história do Bayern e ex-presidente do clube.
“Às vezes, ele parece um jovem jogador para mim, a forma com que perde a bola e para de jogar. Esse comportamento é um pouco juvenil, isso não se encaixa ao Bayern. É hora de ele finalmente cresce”, disse o ex-jogador, à Sky.
Götze não foi titular da Alemanha na Copa. Ele começou jogando em apenas três dos sete jogos de sua seleção no Mundial.
Mas o jovem deixou de ser um mero coadjuvante da campanha germânica quando Löw o tirou do banco de reservas, aos 43 min do segundo tempo do até então empate sem gols com a Argentina.
Substituto de Klose, Götze entrou para a história aos 8 min do segundo tempo da prorrogação. Após cruzamento da esquerda, ele dominou a bola no peito e bateu sem deixá-la cair para marcar o gol do título.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima