Pato Branco

48 trabalhadores recebem novos carrinhos para coleta de material reciclável

Aproximadamente 80 trabalhadores autônomos atuam na coleta de material reciclado em Pato Branco (Foto: Paloma Stedile)

*Marcilei Rossi e Paloma Stedile

Foi após um acidente de moto, o qual resultou na amputação de parte do braço direito, que tirou Sinval do Amaral Mariano, 43 anos, morador do bairro Sudoeste em Pato Branco, de uma colocação formal no mercado de trabalho.

Já são 20 anos que ele trabalha de forma autônoma como coletor de material reciclável. Os principais produtos coletados e comercializados pelo carrinheiro são papel, latinhas e plástico. Mas, para que um dia bom de trabalho resulte em R$ 40 a R$50, ele percorre uma grande extensão da cidade de Pato Branco.

Mariano já vem recebendo ajuda da Assistência Social, há algum tempo, e nessa terça-feira (12), foi um dos 48 carrinheiros que recebeu do Município, por meio de recursos do Conselho Municipal de Meio Ambiente — aproximadamente R$ 40 mil investido —, um carrinho novo para poder dar continuidade em seu trabalho e sustento da família.

Segundo ele, o novo carrinho chegou em boa hora, sendo uma ajuda que precisava para alcançar suas metas.

Durante o ato de entrega dos carrinhos aos coletores de material reciclável, o prefeito Robson Cantu afirmou que irá buscar junto ao Departamento Jurídico do Município uma forma para constituição de uma cooperativa destes trabalhadores.

Atualmente, os carrinheiros vendem o material coletado a empresas em diversas regiões da cidade, muitas vezes armazenando uma quantidade maior em determinados pontos até a comercialização. A intenção do prefeito é de criar um barracão e, assim, estabelecer uma central de compra, evitando que o material se acumule na frente das residências, bem como ser uma alternativa para um melhor preço pela mercadoria.

Cantu também afirmou que, recentemente, esteve em São Bento do Sul (SC) observando o funcionamento de uma usina, para o trabalho dos coletores de material reciclável. Ele mencionou, ainda, que pretende identificar os carrinheiros com coletes.

Vice-presidente do Conselho Municipal de Meio Ambiente, Normélio Bonatto, relata que Sonia Mitrut, que trabalha diretamente com os trabalhadores, entrou em contato com o conselho para dar melhores condições, por meio dos carrinhos. “É bom dizer que não é só a questão ambiental que essas pessoas, esses carrinheiros fazem no município de recolher esse material e dar um destino adequado, tem a questão social”, frisa Bonatto.

Resgate social

Sônia Mitrut trabalha no resgate social dos carrinheiros desde 2005, por meio de ações que envolvem a Secretaria de Assistência Social. Segundo ela, são aproximadamente 80 trabalhadores autônomos que têm na coleta de material reciclado o sustento familiar. Para ela, o trabalho vai além do fornecimento de ferramentas de trabalho, mas dando atenção e orientação social.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima