Assistência Social registra aumento de famílias solicitando cesta básica em Pato Branco

Mudança na realidade socioeconômica eleva o número de famílias em situação de pobreza

Pouco mais de um ano após os primeiros casos de covid-19 serem registrados no Brasil, a instabilidade do mercado de trabalho contribui para o processo de agravamento da pobreza em grande parte dos municípios brasileiros.

Em Pato Branco, a secretária da Assistência Social, Bárbara Slonski Delboni Padoan, afirma que a pasta vem trabalhando incessantemente para ofertar os serviços essenciais para ajudar famílias em situação de vulnerabilidade.

Segundo Bárbara, devido ao aumento de desemprego e da queda dos rendimentos de trabalhadores informais, percebe-se um aumento na demanda de atendimentos relacionados à benefícios. “É perceptível a procura das pessoas para atualizar os dados ou se inscrever no Cadastro Único [CadÚnico]para Programas Sociais, com intenção de receber o Auxílio Emergencial do Governo Federal ”, afirma.  

De acordo com um comparativo realizado pela Assistência Social de Pato Branco, entre o período de 1º de janeiro a 26 de março deste ano, houve 180 inclusões de famílias no Cadastro Único e 595 atualizações. Já em relação ao ano de 2020 foram incluídas 314 famílias enquanto 623 fizeram a atualização cadastral.

O levantamento mostra que houve uma redução de 42% na inclusão cadastral do ano de 2020 para 2021, devido a pandemia da covid-19, pois até março do ano passado os atendimentos estavam sendo realizados normalmente, seguindo os calendários de inclusão e atualização cadastral para acesso a programas sociais.  

Enquanto os números mostram diminuição nos cadastros da assistência social, houve um aumento de famílias já cadastradas solicitando auxílios. No ano de 2020, entre os meses de janeiro a março, foram concedidos 327 auxílios alimentação, enquanto em 2021, 421 famílias procuraram as unidades de atendimento para realizar a solicitação no mesmo período.

O motivo para a maior procura das famílias para tal ação é devido a mudança das realidades socioeconômicas vivenciadas pelas mesmas, com intuito de inclusão em programas, projetos, serviços e benefícios ofertados.

Em relação à vulnerabilidade relacionada a renda, o levantamento mostra que, atualmente, no município de Pato Branco, 806 famílias se encontram em nível de extrema pobreza e 1.199 em situação de pobreza.

Canais de assistência remota dão auxílio para atendimentos

Como forma de cooperar com as medidas necessárias para contenção do coronavírus, o atendimento via aplicativos de mensagens, ligações telefônicas juntamente com a realização de visitas domiciliares vem sendo a principal forma de contato com as famílias cadastradas para receber assistência.

Segundo Bárbara, foram utilizados equipamentos eletrônicos constantemente para atender as demandas do Centros de Referência da Assistência Social (Cras) no último ano. Quando os atendimentos presenciais ocorrem nas unidades, ou são feitas as visitas aos beneficiários, os profissionais utilizam os Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) recomendados pela Secretária de Saúde e seguem os protocolos exigidos.

Entrega de kits de higiene às famílias

Os cursos e oficinas realizados anteriormente à pandemia pela Assistência Social de Pato Branco estão pausados até que a Secretária de Saúde considere seguro o retorno dessas atividades.

Enquanto isso, a Assistência Social fez entregas de kits de higiene às famílias que estão em acompanhamento nas unidades dos Cras, e realizam orientações para que possam utilizar os itens de forma correta no seu dia-a-dia.

Bárbara também cita a elaboração de projetos de médio e longo prazo que vem sendo feitos pela pasta. “Buscamos por formas de informar a população a respeito dos serviços que oferecemos e esclarecer para as pessoas quando e como procurar nossos atendimentos”, afirma.