“Estamos na pior semana desde o início da pandemia”, afirma coordenador da UPA de Pato Branco

Nessa quinta-feira (20) aconteceu mais uma reunião ordinária do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 de Pato Branco. Na oportunidade, foram apresentados dados da doença das últimas semanas no município.

De acordo com o Departamento de Comunicação do Município, entre os dias 6 a 19 de maio, foram contabilizados 1.022 casos, o que representa uma média de 73 novos casos confirmados por dia.

Até o momento, em 2021 foram 5.440 casos registrados, sendo 272 pessoas positivadas por semana. A maior contaminação está na faixa etária de 31 a 40 anos, totalizando 256 casos entre os dias 1ª a 19 de maio.

Até quarta-feira (19) o índice de transmissão estava em 0,34 em Pato Branco. No Brasil, a taxa está em 0,91 e no Paraná 0,77.

Segundo Felipe Balem, coordenador da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), esta é a pior semana desde o início da pandemia em Pato Branco. “Estamos em ascendência, a gente não está conseguindo estabilizar, quanto mais cair. Esse crescimento preocupa muito, a situação que vai ficar nos próximos dias”, destaca Balem.

Também em entrevista à Rádio Itapuã, o prefeito Robson Cantu afirmou que o cenário de Pato Branco está preocupante e disse que nenhuma pessoa que esteve no baile realizado com autorização do Município, em 9 de maio, foi positivada. “Porque quando foi liberado era uma realidade, hoje a preocupação é grande”, acrescenta.

Novas medidas

Foi na segunda-feira (17), que o governo do Paraná editou novas medidas para o enfrentamento da pandemia. No texto assinado por Ratinho Junior, que vigora até a meia-noite do dia 31 de maio, fica restrito a circulação de pessoas e de venda e consumo de bebida alcoólica em espaços de uso público ou coletivo é estendida em uma hora. O toque de recolher e lei seca passam a vigorar das 22h até às 5h do dia seguinte.

Ainda, todo tipo de comércio e de atividades não essenciais também deixam de funcionar aos domingos. Essa regra se aplica a restaurantes, academias e comércio em geral. Nos outros dias da semana poderão abrir ao público das 10h às 22h com 50% de ocupação. Aos domingos e fora desses horários, durante a semana, só será permitido o atendimento na modalidade delivery.

Nessa quinta, Cantu assinou um novo decreto municipal nº 8.917, que seguirá o decreto estadual, com toque de recolher, e aos domingos funcionando apenas os serviços essenciais. O novo documento local, tem vigência de tempo indeterminado.

“O nosso comércio eu não vou mudar o horário, acho que o horário ficou muito bom, porque nós não temos transporte para todo mundo, então é melhor escalonar, não ter aglomeração dentro do ônibus e isso também ajuda a proteger vidas”, confirma o prefeito.

Além disso, declarou que nenhuma outra atividade será reaberta. “Não vamos abrir, é hora de segurar e salvar vidas, é isso que nós queremos, e eu tenho que ouvir as pessoas que entendem de saúde, eu não entendo de saúde, a minha vice entende e está nos ajudando, a nossa secretária de saúde, e as pessoas que trabalham que entendem de saúde e eu tenho que ouvi-los e tomar atitudes que eles nos orientem e isso que estamos fazendo”.

Para Balem a população pato-branquense não consegue ter a consciência e respeitar as flexibilizações. “Vamos tentar liberar o bar, o comerciante precisa sobreviver, mas tem que ter cuidados, não conseguem ter a consciência, ou fica tudo fechado ou tudo aberto, ou pode tudo ou não pode nada, não há esse meio termo, esse bom senso”, analisa o coordenador da UPA.

As transmissões do vírus acontecem muito entre familiares [pai, mãe, irmão], e em datas comemorativas a proliferação aumenta. “No pós-Dia das Mães a gente já imaginava que nós íamos ter um pico de casos, porque é uma data muito especial, mas as pessoas não conseguem tentar salvar a sua mãe, dar esse presente de não se reunir”, explica Balem acrescentando que ano passado aconteceu a mesma situação, porém neste ano os hospitais estão cheios, assim chegando ao colapso.

Trabalhadores da saúde

Dados repassados pelo coordenador da UPA, revelam que diariamente são atendidas 500 pessoas na unidade. “Tenho colegas atendendo plantões e ontem [quarta-feira] recebi uma mensagem de um colega que relatou que foi o pior plantão na UPA, falando que nunca viu a unidade tão lotada, com pacientes nos corredores”, relatou o médico, ao afirmar que os próprios funcionários da linha de frente estão aguardando um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Com mais de um ano de enfrentamento da pandemia, muitos funcionários da saúde estão afastados, cansados e esgotados mentalmente e fisicamente, pois atuam na linha de frente ao combate do vírus desde o começo da pandemia. “Está complicado para a equipe de enfermagem, cuidar de 20 pacientes graves, então fica exaustivo, a gente não consegue encontrar profissionais, então abrir uma nova estrutura, seria o ideal, mas é muito difícil nesse momento, não há profissionais no mercado”, avalia Balem.

Crianças positivadas

Em Pato Branco no período de 1º de março até 18 de maio foram 556 crianças e adolescentes positivadas com o vírus. “A gente não sabe se o pai que passa para a criança ou o inverso, nessa época é bem complicado, agora começa a esfriar, então tem uma demanda muito grande, por outros vírus respiratórios”, afirma Balem.

Por sua vez, o prefeito afirmou que “as aulas continuam normalmente, não tem problema nenhum, a hora que a gente ver que tiver algum problema a gente cancela, mas por enquanto estão mantidas as aulas.”

Entidades se manifestam com relação a novo decreto

Desde o início da tarde dessa quinta-feira (20), já era dado como certa a publicação de um novo decreto estabelecendo medidas de combate a covid-19 em Pato Branco, contudo, ele somente foi vinculado no início da noite, no site do Município.

Lideranças comerciais ouvidas pelo Diário do Sudoeste se demonstraram preocupadas com a atual questão sanitária, mas colocam luz a situação econômica, dando a entender que medidas mais drásticas podem prejudicar ainda mais os segmentos.

Ulisses Piva, presidente do Sindicomércio, que participa das reuniões do Comitê Gestor, destaca que a orientação para os estabelecimentos comerciais é que sejam seguidas as orientações do um novo decreto municipal que foi publicado.

“O comércio em geral não abrirá aos domingos, apenas farmácias e serviços de delivery estarão autorizados a funcionar”, comenta Piva.

O presidente da Associação Empresarial de Pato Branco (Acepb), Roberto Elias da Silva avalia que com o fechamento dos supermercados aos domingos “o pessoal vai concentrar todas as compras no sábado, enchendo mais o supermercado, realmente esses lockdowns a gente sempre é contrário por causa disso, que acaba gerando ainda mais aglomerações”, analisa.

A grande preocupação da entidade no momento é o setor de eventos, que está sendo o mais prejudicado. “Tem algumas atividades dentro do setor de eventos, que a gente pensa que poderiam ser realizadas tomando cuidados, lógico que não baile, mas por exemplo, algumas confraternizações empresariais, palestras que o pessoal fica separado”, exemplifica Silva.