Pato Branco

Pato Branco é oficialmente a Capital Tecnológica e Inovadora do Paraná

O Parque Tecnológico de Pato Branco é modelo para o Brasil Foto: Marcilei Rossi

O dia 27 de outubro de 2020 vai ficar marcado na história de Pato Branco porque foi nesta data que o município se tornou oficialmente a Capital Tecnológica e Inovadora do Estado do Paraná. O título foi concedido através da Lei nº 20.363, de 27.10.2020, publicada em Diário Oficial, após a Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep) decretar a honraria e o governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionar a lei. O documento também foi assinado pelo chefe da Casa Civil, Guto Silva, e pelo deputado estadual, Luiz Fernando Guerra, proponente do projeto de lei que sugeriu o título.

Além disso, com esse reconhecimento, a comemoração da honraria passa a ser inserida no Calendário de Eventos Turísticos do Paraná, durante a Semana da Tecnologia e Inovação, celebrada anualmente entre os dias 16 e 22 de outubro.

“A condecoração é um justo e merecido reconhecimento dos Poderes Públicos, tanto do Executivo como do Legislativo do estado do Paraná, a nossa cidade, que se destaca pela pujança, pelo polo tecnológico, na educação, além de ter sido pioneira em 2013, com a criação da primeira Secretaria Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação”, avaliou Guerra.

Parque tecnológico

O deputado afirmou que o Parque Tecnológico de Pato Branco, por exemplo, é modelo para o Brasil, cumprindo com sua vocação e pesquisa, inovação e incubação de empresas de base tecnológica.

Em suas redes sociais, Guerra destacou ainda que o desenvolvimento sustentável de qualquer região passa pela tecnologia, inovação e ciência aplicada em diversos setores. “Este vem sendo o papel do Parque Tecnológico de Pato Branco. Ao reunir empresas e desenvolvedores destes produtos e serviços num espaço planejado, o Parque vem produzindo um impacto positivo no desenvolvimento regional, estimulando a abertura de novas empresas e geração de emprego e renda”, destacou.

Guerra ressaltou que “é um orgulho ser pato-branquense, ter acompanhado o crescimento da cidade, ver o seu potencial de desenvolvimento ser atingido a ponto de se tornar referência no país, e uma honra poder ter atuado para que esse reconhecimento fosse concedido. Com inovação e tecnologia caminhamos a passos largos para um futuro melhor”.

Status alcançado

Questionado sobre qual a importância desta certificação para Pato Branco, o secretário municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Vinícius De Bortolli, afirmou que o título torna oficial o status alcançado e já reconhecido por diversas entidades estaduais e nacionais.

“Já temos o programa de turismo tecnológico, onde recebemos quase 200 prefeitos de todo o país, além de comitivas semanalmente de todas as partes do Brasil e até internacionais. Também facilita a comercialização de produtos locais do setor, pois aplica um selo de tecnologia e inovação sobre tudo o que é feito aqui”, frisou.

Base tecnológica

De Bortolli contou ainda que há mais de 100 empresas de base tecnológica no município, que empregam mais de 3 mil pessoas, e faturam mais de 500 milhões por ano.

“Precisamos de forma urgente ampliar a base do Parque Tecnológico, que já está lotado, e a procura tem aumentado no último ano, apesar da crise. Temos um projeto de construir mais 7.500 m2 para abrigar novas iniciativas”, ressaltou.

O secretário destacou também outros fatores que ajudaram Pato Branco a chegar nesse patamar tecnológico. “Em 2007, outra iniciativa bem importante: a criação da Lei do Polo Tecnológico ou Lei de Incentivo Tecnológico, a qual incentiva a instalação de indústrias de produtos eletroeletrônicos, telecomunicações e de informática através da cobrança diferenciada de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) (Alep, 2019). Tal lei permitiu ao município receber o investimento de diversas empresas do setor eletroeletrônico, como Visum (atual Hi-mix), Soft Eletrônicos, Serdia e ATEII, dentre outras, criando centenas de empregos (Patob, 2019)”, relembrou.

Integração

De Bortolli ressaltou ainda que mais do que leis, Pato Branco tem um ecossistema integrado, solidário e participativo, que integram 15 entidades locais que compõem o Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação.

“Este Conselho dita os rumos do setor de forma equalizada, ponderada e estratégica. Está havendo um despertar para a importância da Ciência, Tecnologia e Inovação. O desenvolvimento econômico, social e ambiental passa necessariamente por este setor. O reconhecimento do governo estadual revigora ainda mais nossos esforços em melhorar a qualidade de vida em nosso município”, frisou.

Projeção nacional

O prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, reafirmou que o município tem uma importante projeção no setor de tecnologia. “Intensificamos o trabalho nos últimos oito anos criando a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação e promovemos uma feira que teve dimensão nacional. Acredito que o governador, com conhecimento de causa, porque participou da última Inventum ao transferir a sede do governo do Estado para Pato Branco naquela oportunidade, teve a condição de verificar a capacidade, organização e projeção que Pato Branco tem nessa área, e sancionou a lei”.

A experiência vivida no município, ao promover uma edição da Campus Party – maior evento de inovação, tecnologia e negócios do país – dentro da Inventum, também foi destacada pelo prefeito.

Maior desafio

Zucchi observou que Pato Branco tem um desafio nos próximos anos, que é dar continuidade a esse trabalho. “Importante não desmotivar a sociedade que está envolvida e mobilizada nesse setor, em atividades voltadas à tecnologia que o município tem desenvolvido em parceria com a iniciativa privada. É fundamental também ampliar o Parque Tecnológico e trabalhar cada vez mais na atração de investimentos no desenvolvimento de talentos da nossa cidade, gerando novas empresas no setor de TI”, frisou.

Segundo o prefeito, esse título carimba Pato Branco com o reconhecimento do poder público estadual. O município também teve representatividade em uma palestra do Conselho Municipal de Desenvolvimento de Londrina onde foi tratada a questão da tecnologia.

Zucchi destacou também que comitivas de vários municípios visitaram Pato Branco para conhecer o trabalho desenvolvido nessa área.

“O maior desafio do poder público é continuar esse projeto, e que ele não tenha paternidade, mas tenha a participação de todos os atores e instituições envolvidas, como é o caso do Sebrae, NTI, Pato Branco Tecnópole e várias outras entidades. Mas também das empresas, porque o polo tecnológico não sobrevive se não tiver o desenvolvimento econômico, para alçar voos maiores”, enfatizou.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima