O Município de Pato Branco recebeu recentemente a doação de cinco capacetes de oxigenação desenvolvidos por pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A informação é da assessoria de imprensa do Município. Os equipamentos serão utilizados na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas, uma das unidades de atendimento a pacientes em tratamento da Covid-19 em Pato Branco.

Desenvolvidos pelos Departamentos de Física e Medicina da universidade, os capacetes contribuem para a recuperação dos pacientes. “Estes tipos de capacetes têm sido recomendados em muitas diretrizes como um suporte respiratório não invasivo durante a pandemia em diversos países ao redor do mundo. Entre todos os dispositivos não invasivos ele é o que proporciona uma menor quantidade de dispersão de partículas e contaminação do ar, e pode reduzir a falta de leitos de UTI durante o pico de Covid-19, bem como uma menor necessidade de intubação e ventilação mecânica”, explica Edson Arpini Miguel, professor do Departamento de Medicina da universidade.

Segundo informações da UEM, mais de 100 capacetes já haviam sido produzidos e distribuídos gratuitamente para várias cidades do Paraná. No Hospital Universitário Regional de Maringá (HUM) cerca de 120 pacientes já usaram o equipamento, destes 60% não precisaram ser intubados.

Por meio de assessoria de imprensa, o prefeito Robson Cantu comentou que os equipamentos “vêm para agregar no enfrentamento à pandemia” no município.

No início de março, Pato Branco recebeu 12 equipamentos semelhantes, desenvolvidos por uma parceria público-privada no Ceará, e viabilizados por meio de doação da Atlas Eletrodomésticos e Grupo Guerra.

Prevenção

A secretária de saúde de Pato Branco, Lilian Brandalise informou que a procura pelas unidades sentinelas por pessoas com sintomas de Covid-19 tem reduzido nos últimos dias, embora as taxas de ocupação de leitos estejam acima de 100%.

A secretária explica que a regulação de leitos é feita de forma macrorregional, ou seja, parte dos pacientes internados podem ser de outras regiões.

Apesar disso, Lilian explica que ainda é fundamental seguir as orientações de prevenção, como evitar aglomerações, lavar as mãos e complementar a higienização com álcool em gel, além de utilizar máscaras.

A secretária pediu a população para que evite aglomerações neste feriado de Páscoa, pois há um histórico recente de crescente de casos após feriados e datas comemorativas.