Feiras foram suspensas em 2020, para evitar as aglomerações devido a pandemia

Iniciado em 2014, as feiras de adoção de animais foram interrompidas em 2020 devido a pandemia da covid-19. Agora, neste sábado (14), a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e o Conselho Municipal de Proteção dos Animais, realiza a primeira edição de 2021.

A feira será das 9h às 15, no espaço aberto do Planta Garden. Em caso de chuva, a feira será mantida na área coberta.

Cerca de 50 animais, entre cães e gatos, resgatados de maus tratos, recolhidos da rua e que estão sob posse das ONGs e instituições em defesa da causa animal, estarão disponíveis para a adoção.

Keli Starck, secretária de Meio Ambiente afirma que a retomada das feiras de adoção é uma forma de garantir que os animais tenham novos lares. “Além de possibilitar um novo lar para esses animais, a das preocupações desta feira, é a conscientização dos adotantes sobre a responsabilidade, porque demanda que as pessoas tenham consciência de que animal também dá trabalho e que serão necessários cuidados constantemente.”

De acordo com a secretária já existem algumas pessoas interessadas nos animais que estarão na feira.  Vale lembrar, que os animais adultos já estarão castrados e, os mais novos, terão a castração agendada para quem adotar. Ela será gratuita e custeada a partir de uma parceria público-privada com uma clínica veterinária contratada pelo município.

Para adotar o animal é necessário ter mais de 18 anos e levar os documentos pessoais, comprovante de residência e ter espaço adequado para ter o animal em casa.

São consideradas condições adequadas a oferta de tempo para estar com animal, pátio para caminhar, janelas e espaços telados (para gatos), fornecimento de local com abrigo de chuva, sol e frio, disponibilização de alimento e água.

TAC

De acordo com a secretária, não existe uma meta estabelecida de adoções de animais para 2021, porém, a intenção é colocar o maior número em casa de tutores.

Keli explica ainda que este ano, o Município assinou um novo Termo de Ajuste de Conduta (TAC), com o Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema), do Ministério Público do Paraná (MPPR), levando em conta o que foi previsto pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV). “Este novo TAC estabeleceu critérios que o Município consegue cumprir”, explica a secretária apontando que uma das maiores dificuldades encontradas em se tratando de causa animal, vem sendo os gastos públicos, “infelizmente não temos dinheiro para atender toda a população de animais de rua.”

Castração

A secretária recorda também que de junho até o início de agosto 150 animais, entre cães e gatos, errantes ou pertencentes a famílias em situação de vulnerabilidade social foram atendidos pela nova etapa do Programa Municipal de Bem Estar Animal (Probem).

Alguns destes animais, assim como o médico veterinário e responsável técnico da Secretaria Fabiano Alves da Silva, explicou recentemente ao Diário do Sudoeste, devem estar disponíveis para a adoção.