Pato Branco

Projeto universitário cria ventilador mecânico com baixo custo e alta eficiência

Parte dos professores e técnicos administrativos envolvidos na ação são da UTFPR de Pato Branco

Após quase três meses de pesquisas e testes, o ventilador pulmonar, produzido por professores e técnicos administrativos da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)-Câmpus Pato Branco, em parceria com o câmpus Curitiba e com o Instituto Federal do Paraná (IFPR) de Campo Largo, ficou pronto. 
Na tarde desta quarta-feira (10), a equipe responsável pelo projeto apresentou à profissionais da saúde, apoiadores, imprensa e diretores da UTFPR, o protótipo final do equipamento. A partir de agora, o Vent-U², como é chamado pela equipe, se encaminha para a fase de homologação, ou seja,  será avaliado se está dentro dos parâmetros de segurança estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 
Após ser homologado, empresas que são autorizadas e certificadas para produzir equipamentos hospitalares, poderão se credenciar para ter acesso ao projeto e fabricá-lo em larga escala. 

Custos
De acordo com um dos envolvidos no projeto, o professor chefe do Departamento de Engenharia Elétrica em Pato Branco, Ricardo Bernardi, o aparelho poderá ser produzido por um custo de R$ 10 mil – valor dez vezes mais baixo do que os atuais equipamentos comercializados no mercado, que com a pandemia chegam a custar até R$ 100 mil. 
A intenção, segundo Bernardi, é que o custo para fabricação do equipamento seja ainda menor, podendo chegar a R$ 5 mil. “A equipe prezou por um equipamento robusto, de fácil manutenção e baixo custo mas que cumprisse com a proposta de atender as necessidades de um paciente em estado grave de COVID-19”, contou explicando que o equipamento foi testado por profissionais de saúde. 

Verbas 
Para produzir o Vent-U², a equipe recebeu um total de R$ 280 mil, oriundos de verbas institucionais da UTFPR. Deste valor, R$ 30 mil foram destinados para a pesquisa e desenvolvimento do protótipo, enquanto que o restante [R$ 250 mil] será utilizado na fabricação [compra dos materiais] de ventiladores, após homologação. Com o valor, estima-se fabricar até 50 unidades do equipamento. 
Segundo Bernardi, um dos desafios encontrados pela equipe, durante a fabricação do ventilador mecânico, foi encontrar no mercado nacional, peças capazes de proporcionar um bom desempenho ao equipamento que tivessem um custo que se encaixasse no orçamento de um aparelho mais barato que os já disponíveis. 
“Para resolver esse problema, resgatamos uma técnica que era utilizada anterior ao surgimento das válvulas proporcionais. Tal técnica utiliza um bloco de válvulas com uma combinação binária de vazões que permite controlar o fluxo de ar como se fosse uma válvula proporcional”, explicou. 
Além das verbas, o projeto também recebeu apoio de empresas, indústrias e hospitais. 

Características 
Além de ser mais barato, o Vent-U² é também mais eficiente do que a maioria dos ventiladores mecânicos criados durante a pandemia, pois, ele apresenta características técnicas capazes de atender um paciente em estágio grave da doença, diferente da maioria apresentada com a mesma proposta até o momento, que demonstra apenas capacidade para tratamento inicial da Covid-19. 
Segundo Bernardi, foram necessários vários testes e diversas mudanças para chegar na versão final pronta para fabricação. “A primeira versão do protótipo que temos hoje está em funcionamento e evolução desde abril. Hoje temos uma versão que acreditamos estar pronta para participar do processo de homologação”, comentou.
Após assistir a apresentação do protótipo final, o diretor técnico do Hospital Thereza Mussi, Evandro Bellotto, disse que ter ficado impressionado com a capacidade técnica do equipamento. Para ele, o ventilador mecânico demonstra ser capaz de atender aos pacientes de coronavírus. “Tem um ou outro ajuste que precisa ser feito, especificamente, por conta do Covid-19, na questão de contaminação e exaustão”, comentou Bellotto completando que trata-se “de um belo trabalho que tem capacidade para cumprir todas as exigências.”

Vent-U² funcionando 

Novos ventiladores
Como a intenção é continuar auxiliando no tratamento de pacientes com coronavírus, a equipe já se inscreveu novamente para mais um edital da UTFPR, de apoio à fabricação de equipamentos relacionados ao combate da doença. 
Se aprovado, toda a verba recebida será utilizada, exclusivamente, na fabricação do equipamento, tendo em vista que toda a parte de estudos e testes já foi feita na fase inicial. O objetivo do grupo é conseguir diminuir ainda mais os valores de produção de cada ventilador mecânico a fim de fabricar uma maior quantidade de equipamentos. 
 

                                                                          Professor chefe do Departamento de Engenharia Elétrica em Pato Branco, Ricardo Bernardi

 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima