Pato Branco

Religiosidade de frei Policarpo foi um exemplo para todos

“Um homem que só fez o bem e honrou seu ministério, distribuindo amor”, disse Alan Archetti sobre frei Policarpo – Foto: Joelmir Galina

Frei Policarpo Berri, que faleceu na manhã desse domingo (4), aos 96 anos, foi um exemplo de amor e religiosidade para todos, não somente para os fiéis católicos.

O pastor titular da Primeira Igreja Batista de Pato Branco, Luiz Tarquínio, declarou que tão logo chegou ao município, foi apresentado ao frei Policarpo. “Figura simpática, carismática e gentil. Atencioso como poucos, estava pronto para ajudar quem dele necessitasse. Os enfermos recebiam sua atenção, os pobres seus cuidados, os desvalidos, ajudas válidas. No alto dos seus muitos anos, parecia um jovem, desejoso em dar assistência a quem dela necessitasse. Sua presença era mobiliar nos casamentos, velórios, inaugurações, e, principalmente, nos hospitais, por onde passava distribuindo hóstias, representantes de sua fé e amor”, ressaltou.

Pastor Tarquínio disse ainda que Pato Branco ficará menos colorida com o falecimento de Policarpo. “Perdeu uma de suas cores bonitas, os desenhos de Pato Branco não terão o dourado de antes, vindo talvez do coração de amor do nobre Policarpo. A vida em doação é a melhor que se pode ter. Semear é a véspera da colheita, a mão estendida é a melhor maneira de se reconhecer um homem de bem. A homenagem que os habitantes de Pato Branco fazem ao frei Policarpo é o ensejo do que receberam desse humano especial, simples e recheado de altruístas atuações”, completou.

Protetor dos anônimos

O médico Alan Archetti, ex-conselheiro da Federação Espírita do Paraná (FEP), onde atuou por 24 anos ininterruptos, ex-presidente da 14º União Regional Espírita (URE) de Pato Branco e conselheiro, diretor doutrinário, trabalhador e sócio-fundador da Sociedade Espírita Fraternidade (SEF), de Pato Branco, declarou, em nome da comunidade espírita, que frei Policarpo é patrimônio da comunidade de Pato Branco.

“Protetor de tantos anônimos que se encharcaram de seu fluido de imensurável bondade, indistintamente. Um homem que só fez o bem e honrou seu ministério, distribuindo amor. Retorna vitorioso para Deus repleto de sublimação e plenitude. Gratidão querido Frei!”, enfatizou.

Relevante no meio católico

O pastor Valdir Garcia, presidente da Associação de Pastores Evangélicos de Pato Branco (ASPEP), lamentou o falecimento do frei, que segundo ele, era uma pessoa, dentro da sua visão religiosa de ser, se entregou pela causa de tal forma a tornar-se extremamente relevante no meio católico.

“Alguém com um coração e uma visão humanizada, simpática, cordata e até mesmo ‘folclórica’ no seu estilo próprio de ser. Como a palavra de Deus diz que agora ele é assunto com Deus, é oportuno salientar que em Itm.2:5 diz que: ‘Há um só Deus, e um só Mediador (Intercessor) entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem’. Desta forma convém a nós orar para que o Senhor console os corações entristecidos pela perda do amado”, destacou.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima