Pato Branco

Zucchi autoriza demolição dos pavilhões do Parque de Exposições e a revitalização da rua Guarani

Os pavilhões do Parque de Exposições de Pato Branco serão demolidos para a construção de um novo espaço – Foto: Marcilei Rossi

Na manhã dessa segunda-feira (19), o prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, convocou uma coletiva de imprensa, no gabinete municipal, para assinatura de algumas ordens de serviços.

Na oportunidade o prefeito deu ordem para demolição da estrutura dos pavilhões A e B, no Parque de Exposição; revitalização dos passeios da rua Guarani; construção do Parque São João; e a construção das praças dos bairros Planalto, Vila Isabel e São Cristóvão.

De acordo com a assessoria de imprensa do município, o serviço de demolição da estrutura dos pavilhões A e B, localizados no Parque de Exposição de Pato Branco, será realizado pela empresa S.O.S Demolidora e Terraplanagem (EPP), com o valor total de R$ 241.500,00.

Já o serviço de execução da revitalização dos asseios da rua Guarani, entre as ruas Iguaçu e Tapir, numa área total de 2.949,10m², está sob a responsabilidade da empresa Nogale Engenharia e Construção Ltda – ME, cujo valor total é de R$ 248.671,00. “Todos os pavers da rua Guarani estão sendo substituídos e os que forem retirados serão reaproveitados em equipamentos públicos onde o município está fazendo calçadas”, frisou o prefeito.

Parque e praças

Os serviços de construção da praça do bairro Planalto, localizada na rua das Arapongas e a construção do Parque São João, localizado na rua Mohamad Omar Awada, está sob a responsabilidade da empresa S.A Follmer Construções e Serviços Ltda – ME, e corresponde ao valor total de R$ 601.432,71.

Já os serviços de construção da praça do bairro Vila Isabel, localizada na rua Jardim, e a construção da praça do bairro São Cristóvão, localizada na rua das Bandeiras, serão realizados pela empresa Civilar Construções Eireli – ME, com o valor total de R$ 512.901,55. A praça São Cristóvão custará o investimento de R$ 220.353,10 e a praça do Vila Isabel sairá por R$ 292.548,45.

Programação

Segundo o prefeito, havia uma programação que foi atrasada em virtude da pandemia de coronavírus e agora está sendo colocado em prática tudo que havia sido programado para este ano de 2020.

“Ressalto que todas as ordens de serviços que estão sendo dadas têm dinheiro em caixa para fazer. Não vai ficar dívidas para o próximo gestor, até porque muitas obras irão terminar ainda este ano, como é o caso da revitalização da rua Guarani, que foi decidida pelos proprietários e donos dos estabelecimentos, em uma reunião. Vamos começar agora e queremos terminar até 15 de dezembro. Também vamos fazer um local de lazer e entretenimento no bairro São João, perto da Vila São Pedro. Há cinco anos adquirimos uma área no local e estamos dando essa ordem de serviço de mais de R$ 600 mil para fazer um parque com pista de caminhada, lago, quadra sintética e playground”, destacou.

Parque de Exposições

Zucchi frisou que estão sendo realizadas as demolições no Parque de Exposições, com o processo de licitação já pronto e na próxima semana será dada ordem de serviço para a construção do novo espaço, também com recursos garantido.

Da demolição, de acordo com o prefeito, toda a estrutura metálica e de cobertura do parque será reaproveitada. “Também estamos dando continuidade a construção de praças e parques nos bairros, cujas obras têm um total de investimentos de R$ 1.363.000,00”, ressaltou.

Outras ordens

Zucchi adiantou que nas próximas semanas serão dadas outras ordens de serviços, como para a construção do novo centro de eventos, asfalto no interior, entre outras, tudo com recurso provisionado.

Inclusive comentou também que será dada ordem de serviço para a construção do novo teatro municipal. “Na semana que vem vamos convidar a imprensa para uma coletiva no Largo da Liberdade, para fazer uma outra fase de ordens de serviços”, revelou.

Atraso

Na ocasião, o prefeito foi questionado pela imprensa sobre o por que dos anúncios nessa época do ano. Ele reafirmou que as obras já estavam programadas para serem executadas em 2020 e que houve o atrasado, na maioria dos casos, em razão da pandemia.

Porém, destacou que, por exemplo, o recurso para o asfalto no São Brás já estava desde janeiro em uma conta específica, mas que a obra não foi feita antes porque se precisasse, o recurso seria destinado para a saúde, que é prioridade.

“Tivemos que esperar o tempo suficiente para ter certeza que estes recursos que estão sendo usados para as obras não seriam necessários na saúde, porque para as outras demandas temos a provisão necessária em caixa para resolver. As obras serão de responsabilidade da administração atual, com provisão orçamentária e financeira, porque a lei não permite, como permitia antigamente, que a administração atual deixe dívidas para a próxima. Se eu deixar uma obra em andamento, tenho que dizer onde está a provisão financeira para que essa obra seja executada”, ressaltou.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima