Política

Avaliação do governo Temer cai, segundo Paraná Pesquisa

Divulgação/Agência Brasil

Na segunda-feira (12), a Paraná Pesquisas divulgou pesquisa onde 2.016 brasileiros avaliaram a situação política brasileira. A coleta dos dados, segundo o instituto, ocorreu em 24 Estados e no Distrito Federal, em 152 municípios entre os dias 6 e 8 de dezembro.

Foram entrevistadas 1.057 (52%) mulheres, 959 (48%) homens. Eles responderam sobre a situação política eleitoral, a administração federal, economia e mercado de trabalho, intervenção militar, aborto e sobre a Operação Lava Jato.

Questionados se Michel Temer fosse candidato à reeleição, 74,7% dos entrevistados afirmaram que não votariam, sendo que 19,6% votariam e 5,7% não souberam ou não responderam.

Ao serem questionados em uma possível perda de mandato de Temer em 2017, 6,0% afirmaram que o Congresso deveria eleger em votação indireta (conforme prevê a Constituição) seu substituto; 90,8% afirmaram que a população deve escolher a presidente em eleições direta e 3,2% não souberam ou não responderam.

Os entrevistados também responderam sobre áreas prioritárias de investimentos do Governo Federal. Para 34,2%, o governo deve investir em saúde; 16,8% em educação; 14,3% em geração de emprego; 13,5% combate a corrupção; 10,2% em segurança; 7,3% na reforma política; 1,9% em economia; 1,0% não soube e 0,5% área social.

Desaprovação

Prestes a completar 7 meses do governo Temer, 15,9% definiram o governo como ótimo ou bom; 35,1% e 46,9% ruim ou péssimo. Não souberam ou não responderam 2,1%.

Dos entrevistados, 30,7% disseram aprovar a administração do presidente Temer, 64,3% desaprovam e 5,0% não souberam ou não opinaram.

Na análise comparativa com as pesquisas realizadas em junho, julho, agosto e dezembro, a atual pesquisa foi a que o governo Temer teve a maior desaprovação.

Em junho, o índice foi de 55,4%, caindo para 52% em julho, tendo uma nova queda em agosto para 50,4% e agora em dezembro atingiu a maior desaprovação.

A atual pesquisa foi também a que teve menor índice de pessoas que não responderam ou não opinaram. Em junho, foram 8,3%, em julho 9,1%, em agosto o índice se manteve e em dezembro a 5%.

Questionados sobre a situação do Brasil depois que Temer assumiu, 20,1% afirma que o país melhorou; 27,3% que piorou; 50% que permaneceu como estava e 2,6% não sabe ou não respondeu.

Em agosto 22,3% afirmavam que a situação melhorou; 16,9% que piorou e 57,4% que permaneceu como estava. Não sabiam ou não responderam 3,4% dos entrevistados.

Clique para comentar
Para cima