Diretor do Departamento de Atenção à Saúde vai à Câmara explicar sobre o atendimento básico

O diretor do Departamento de Atenção à Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Pato Branco, Max Dobrovolski, foi convidado pela vereadora Maria Cristina de Oliveira Rodrigues Hamera (PV) para participar da sessão de quarta-feira (19) para explanar sobre a atenção à saúde da família no município.

Dobrovolski aproveitou a oportunidade e explicou como vem funcionando o atendimento nas unidades. Também falou sobre o acompanhamento periódico junto às famílias, as rotinas de avaliação e monitoramento da assistência prestada à população e as especificidades de cada território, além das mudanças nos acessos às unidades de saúde em função das alterações ocorridas pela pandemia e outras questões referentes à atenção básica.

Atualmente, Pato Branco conta com 21 equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF), cada uma atendendo cerca de quatro mil habitantes, dentro da atenção básica. A cobertura é de 84,26%, segundo apresentado pelo diretor do Departamento.

Internações

Dobrovolski revelou que o percentual de internações de pessoas em Pato Branco, por causas sensíveis de serem tratadas nas unidades de saúde, é de 14%, bem abaixo do índice do Estado, que varia entre 20% e 25%.

“Isso mostra que Pato Branco está conseguindo evitar que mais pessoas cheguem a um hospital por ações que poderiam ser trabalhadas nas unidades de saúde”, destacou.

Especificidades

O diretor do Departamento explicou que o atendimento em todas as unidades segue dois modelos, um para condições agudas de saúde e outro para condições crônicas.

As condições agudas são atendidas de acordo com o acolhimento de classificação de risco, como acontece na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde o paciente em estado de saúde mais grave é atendido primeiro não importando a ordem de chegada na unidade.

Já para o atendimento dos eventos crônicos existem agendas separadas para hipertensos, diabéticos, pacientes oncológicos, puericultura, pré-natal e visitas domiciliares.

Nas unidades também têm consultadas de enfermagem, como saúde da mulher, ecografias e preventivos, equipes de saúde bucal, agentes comunitários de saúde, ações de promoção e prevenção e vacinação.

Interior

O presidente do Legislativo, vereador Joecir Bernardi (PSD), questionou sobre o atendimento nas comunidades do interior, que agregam mais de três mil famílias e que precisam ser assistidas de uma forma melhor.

Dobrovolski explicou o maior problema hoje é a evasão de profissionais, já que a Saúde perdeu muitos agentes comunitários e o déficit é de mais de 20 agentes.

Também há necessidade de uma equipe de saúde bucal, acrescentou ele, mas que primeiro é preciso repor os profissionais. Porém, para minimizar o problema, será inserido algum tipo de tecnologia, como o uso de whatsapp, para ajudar os agentes a realizar um melhor trabalho. Assim, poderão mandar fotos do paciente, por exemplo, para os enfermeiros, e adequar a melhor forma de tratar. Porque ainda existe a dificuldade de transporte por causa dos veículos.

Zona leste

O diretor do Departamento também foi questionado sobre o atendimento da população na região dos bairros La Salle, Cadorin e Parque do Som, que precisa ir até a unidade central porque não há unidades básicas nos arredores.

Dobrovolski contou que o novo foco é a construção de uma unidade básica na zona leste, provavelmente no bairro Parque do Som, em um terreno próximo de escola e creche, e cuja unidade tenha possibilidade de absorver também a demanda das comunidades rurais próximas. Nessa unidade a intenção é ter três equipes, para absorver o fluxo de crescimento da cidade.

Bortot

Sobre a unidade de saúde do bairro Bortot, Dobrovolski contou que apesar de a estrutura ter passado por uma reforma no ano passado, ainda não foi suficiente para ser usada. Por isso a unidade está passando por nova reforma.

Tão logo se complete, o atendimento da equipe de ESF voltará a atender naquele local, inclusive moradores do bairro Vila Izabel, que hoje precisam solicitar atendimento na unidade central. Segundo o diretor, a ideia é colocar duas equipes atuando naquela unidade.

São Cristóvão

Dobrovolski destacou que ajustes também serão feitos na unidade do bairro São Cristóvão. Hoje há uma equipe, mas a unidade comporta duas. Assim, moradores de outros bairros próximos que estão sendo atendidos, por exemplo, na unidade do bairro Morumbi, como é o caso da população do Slobodan, voltarão a ser atendidos na unidade do São Cristóvão, que é mais próxima.