Política

Rafael Caleffi quer implantar no oeste de Santa Catarina, experiência positiva do sudoeste do Paraná

Prefeito de São Lourenço do Oeste, foi eleito recentemente presidente do CIS-Amosc

Experiência adquirida na primeira gestão é para o prefeito a possibilidade de novas conquistas para São Lourenço do Oeste

Eleito recentemente presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Oeste de Santa Catarina (CIS-Amosc), o prefeito de São Lourenço do Oeste (SC), Rafael Caleffi, nem sonha com a desvinculação de seu município do Consórcio Intermunicipal de Saúde (Conims), pelo contrário, ele quer implantar no sistema que reúne 52 municípios do Oeste catarinense, experiências positivas que viu e ajudou implantar no conglomerado da microrregião paranaense.

Segundo Caleffi a forma que o Conimes trabalha, dando condições das secretarias municipais de saúde atenderem a pulação dos municípios credenciados é o que ele quer ver implantado no oeste de Santa Catarina.

A experiência exitosa foi implantada em 2017 no consórcio paranaense, quando Altair Gasparetto, o Vadeco, era prefeito de São João e presidente do consórcio e ele Caleffi, integrava o conselho. “O principal desafio dos 52 municípios que fazem parte do consórcio, é fazer com que a burocracia, a fila de espera por consultas, exames e cirurgias no oeste Catarinense seja diminuída, através da prestação de serviço de médicos e clínicas que estão credenciadas”, pontua o prefeito de São Lourenço do Oeste.

Se o objetivo é repetir experiência positivas, Caleffi, que foi reeleito na gestão de São Lourenço do Oeste, que dar continuidade a trabalhos exitosos, como o programa Cheque do Leite, que nada mais é do que um bônus fiscal para a cadeia leiteira do município e ainda ampliar para o Cheque do Campo, atendendo mais propriedades rurais.

Ele ainda quer dar continuidade no programa de asfaltamento do perímetro urbano, com mais 100 quadras; a implantação do parque ambiental e a ampliação do centro de especialidades médicas de seis para 15 áreas médicas contempladas.

Para esses objetivos, o agora experiente prefeito, deposita parte de suas ações no conhecimento adquirido nos primeiros quatro anos de gestão. “Nada se constrói sozinho”, diz Caleffi, ao se referir a sua equipe de trabalho no primeiro mandato, mas também, fazendo menção aos contatos

estabelecidos em secretarias de Estado, com Brasília.

Vacinação em SLO

A espera de definições para a vacinação da covid-19, é atualmente, a preocupação dos gestores municipais. Não distante desta realidade, Caleffi tem claro que São Lourenço do Oeste vai respeitar a hierarquia. Com isso, ele quer dizer que vai seguir o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação (PNOV), estabelecido pelo Ministério da Saúde.

Na prática isso quer dizer, que tão logo seja disponibilizado o imunizante, deve ser cumprido no município o quadro de vacinação, uma vez que segundo ele, o Município está se antecipando e assegurando ter insumos como: agulha, seringa, álcool.

Caleffi afirma ainda que “é óbvio que se a iniciativa privada tiver a disposição, a venda da vacina, é uma decisão político-administrativa a aquisição, e, eu antecipo, se tiver no mercado, vamos comprar.”

Relacionamento como os vizinhos

Caleffi que hoje se reúne com a direção da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), em Florianópolis para tratar da ampliação do saneamento básico em São Lourenço, desenvolveu nesta semana a ‘política da boa vizinhança’.

Não só preocupado em ampliar o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de São Lourenço do Oeste por meio do saneamento básico, o prefeito quer viabilizar obras estruturantes, o que implica dizer, que algumas dependem sim, de um trato com o vizinho Vitorino, no Paraná.

Um exemplo clássico do trato que o gestor lourenciano tem de administrar com o vitorinense é o acesso principal ao bairro Araucária Park, em terras paranaenses, mas que está na margem da rodovia de Santa Catarina.

Além de elogiar a conduta de Marciano Vottri, de ouvir as intenções de São Lourenço, Caleffi lembrou que além do caso do Araucária Parque algumas obras feitas por ambos os municípios acabam precisando de termo de ajuste ente as gestões por conta dos limites de estados.

Contudo, não é somente com o prefeito de Vitorino que ele esteve em contato esta semana. Caleffi esteve em Pato Branco, para conversar com Robson Cantu, a quem definiu com grande trânsito no governo do Paraná, através do chefe da Casa Civil, Guto Silva, para buscar viabilizar melhorias viárias.

A intenção é implantação de terceira faixa no trecho da PR-158 entre São Lourenço do Oeste e Vitorino, mas também a execução do projeto de pouco mais de 550 metros do trecho paranaense do contorno leste em São Lourenço do Oeste. No território de Santa Catarina, a obra possuiu sete quilômetros e já tem projeto.

A isso, Caleffi se disse otimista, com a receptividade do prefeito pato-branquense.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima