Região

Amigos fazem coleção de santinhos e preservam história da política de Coronel Vivida

Branchi (à esquerda) e Menezes (à direita), juntamente com os quadros feitos até então (Crédito: Paloma Stedile)

Grande parte das pessoas já colecionou ou coleciona alguma coisa. Cartões telefônicos, papéis de carta, moedas, canecas, chaveiros e por aí vai…

Além de coisas típicas, por outro lado, há situações em que os objetos de coleção são inusitados. Você já ouviu dizer ou conheceu alguém, por exemplo, que colecionasse ‘santinhos’ de campanha política?

Pois em Coronel Vivida tem, e é algo levado muito a sério por Ronaldo Branchi e Eduar Menezes, que fazem isso há duas décadas.

Tudo começou nas eleições municipais de Coronel Vivida de 2000, quando Branchi começou a juntar os ‘santinhos’, apenas como uma curiosidade para ver quais seriam os candidatos e as coligações.

“Até mesmo porque naquele tempo não existiam as redes sociais, que hoje acabam por facilitar a propagação das informações e das imagens”, afirma.

Após reunirem os ‘santinhos’ lá em 2000, pensaram em uma forma de guardá-los. “Por que não colocarmos em um quadro?”, comenta Branchi, que possui um quadro para cada eleição exposto em sua borracharia, situada no Centro de Coronel Vivida.

De lá para cá, em todas as eleições municipais, os amigos não param mais de juntar os ‘santinhos’ de todos os candidatos.

Menezes, que começou a auxiliar Branchi na coleção depois de algum tempo, conta que no início do período eleitoral eles acessam o site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para obter a relação de todos os candidatos do Município.

Então é iniciada a ‘caça’ aos ‘santinhos’. “Sou cara de pau mesmo, saio pedindo nos lugares, comitês de campanha e aonde mais for preciso”, brinca Menezes.

Há situações em que os próprios candidatos, conhecendo o hobby dos vividenses, levam os ‘santinhos’ para Branchi até a sua empresa.

Resultado

O trabalho dos amigos vai muito além de somente reunir todo esse material e colar nos quadros. Ao final do pleito eleitoral, eles anotam, no canto do próprio ‘santinho’, a quantidade de votos de cada candidato.

Seja para vereador ou prefeito, ao finalizar o trabalho no quadro do ano eleitoral, eles o plastificam, com o objetivo de melhor conservar e eternizá-lo.

História

Branchi conta que é comum os amigos, os clientes e os conhecidos [que ficam sabendo da coleção] irem pedir para olhar os quadros. “Não é somente uma coleção de ‘santinhos’ de candidatos, mas parte da história de Coronel Vivida, uma vez que os mais jovens podem conhecer quem já foi candidato”.

Alguns deles, infelizmente, já partiram. Inclusive, os quadros são uma forma de lembrá-los com carinho. “Do primeiro que fizemos, em 2020, por exemplo, sete já não estão mais entre nós”, afirma o empresário, que pretende continuar a coleção, com o apoio dos amigos.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para cima