Região

Assistência Social presta atendimento psicológico remoto aos idosos de São João

A Secretaria de Promoção Social e Direitos Humanos desenvolve em São João várias ações coletivas e individuais, para diferentes públicos, como famílias, crianças e adolescentes, e idosos.

Contudo, em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19), alguns desses serviços precisaram ser reorganizados, inclusive restringindo as atividades coletivas, buscando a prevenção da disseminação da doença.

Como a Assistência Social é considerada como serviço público essencial, em meio a pandemia mantém algumas ações, a fim de evitar que usuários estejam em situação de perigo ou de sobrevivência.

“Durante esse período de covid-19 houve aumento significativo de situações de violência e de violações de direitos. Ou seja, a violação de alguns direitos da criança e do adolescente; da mulher; e, principalmente, do idoso. No que diz respeito as situações de ruptura de vínculos familiares”, afirma a gestora de Assistência Social de São João, Elizandra Muller Ogliari.

Pensando nisso, a secretaria reuniu as equipes técnicas da Proteção Social Básica, por meio do Centro de Referência de Assistência Social – Cras [que desenvolve a prevenção e a orientação de pessoas em situação de risco ou vulnerabilidade social]; e da Proteção Social Especial [que atua em situações quando já houve a violação de direitos, contribuindo para a reconstrução de vínculos familiares e comunitários].

“Temos essas duas proteções sociais, que trabalham em situações diferentes. Com isso, montamos um plano de contingência na área da assistência social, com atividades aprovadas pelo Conselho Municipal de Assistência Social. Esse plano prevê ações emergenciais de enfrentamento da pandemia no âmbito do Sistema Único de Assistência Social (Suas) no Município de São João”.

Entre as ações é realizado o atendimento psicológico remoto, na modalidade de teleatendimento, que se iniciou este mês no município. A secretária explica que, devido ao coronavírus, os idosos estão em isolamento social e muitas vezes têm dificuldades de conversar com os familiares, até mesmo de se expressar com alguém da família ou conhecido.

“Como há demandas de violência e de negligência, colocamos à disposição esse teleatendimento, por meio do qual o idoso pode entrar em contato com uma psicóloga do Cras, que está atendendo exclusivamente estas situações”.

Elizandra afirma que o atendimento psicológico remoto é disponível para toda a população idosa do município, mas, “principalmente, para aqueles idosos que já desenvolvíamos trabalho de fortalecimento de vínculos, nos grupos de atividades coletivas, que tínhamos aqui no Centro, no Novo Horizonte e nos distritos. Também temos o público prioritário de atendimento, que são idosos no domicilio, em situação de vulnerabilidade social, que vêm sendo atendidos pelo Cras”.

Acesso

Para ter acesso a esse serviço remoto, os idosos podem entrar em contato pelo telefone fixo (46) 3533-2743 ou WhatsApp: (46) 9 9115-1202. O horário de atendimento é das 8h às 11h30 e das 13h às 17h30, de segunda a sexta-feira.

“O primeiro atendimento não é necessário agendar. Nele, a psicóloga [contratada por meio de recurso do incentivo do Governo Federal, para atendimento às demandas emergenciais de enfrentamento a covid-19] faz  uma triagem, a fim de verificar a necessidade de se fazer visita domiciliar ou de encaminhar para alguma outra política pública”, completa a secretária.

Para as demais sessões, que têm duração média de 40 minutos, são feitos agendamentos. “Também estamos atendendo as demandas espontâneas. Caso alguém saiba de alguma violência, maus tratos, negligência familiar, abandono de idoso, pode também entrar em contato por esses números”, destaca Elizandra, lembrando que os atendimentos são gratuitos.

Outros canais também podem ser utilizados para denúncias: Disque 100, Disque 181 e Polícia Militar.

Atendimento é prestado de segunda a sexta-feira – Crédito: Divulgação
Clique para comentar
Para cima